Servidores da Educação de Maceió paralisam atividades para cobrar reajuste salarial

Um ato está marcado para esta terça-feira (22), em frente à Prefeitura de Maceió, em Jaraguá

Para cobrar da Prefeitura de Maceió o reajuste salarial, aquisição e oferta de equipamentos tecnológicos e internet para educação remota e trabalhos técnico-administrativos, servidores da Educação da rede pública de Maceió decidiram paralisar as atividades nesta segunda-feira (21) e terça-feira (22), quando ocorrerá um ato em frente à sede da prefeitura, no bairro de Jaraguá. A categoria deve decidir, ainda, pelo indicativo de greve.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores da Educação de Alagoas (Sinteal), a data-base da categoria é janeiro. Durante plenária virtual ocorrida na última quinta-feira (17), a presidente do Sinteal Consuelo Correia reforçou pontos como a recomposição salarial, reposição inflacionária, o pagamento das progressões (por mérito e titulação) e a oferta de equipamentos de tecnologia e de internet (para os profissionais da educação).

O último ponto levantado pela presidente do Sinteal foi a luta dos precatórios do Fundef, cujo projeto de lei foi sancionado, na quarta-feira (16), pelo prefeito de Maceió, e que agora, de acordo com Consuelo, “vai merecer mais luta e mais atenção para o processo que vem a seguir, até, finalmente, o rateio dos recursos para todos os trabalhadores e as trabalhadoras da educação municipais”.

Por meio de nota, a Semed disse que mantém um diálogo com a categoria de forma transparente, constante e democrático.

Confira na íntegra:

A Secretaria Municipal de Educação informa que, desde janeiro, mantém uma mesa de negociação com as entidades sindicais. O diálogo tem sido constante, transparente e democrático. A Secretaria tem priorizado ações em prol de melhorias das condições de trabalho. Neste sentido, o órgão já iniciou processo licitatório para aquisição de notebooks, com plano de dados de acesso à internet para todos os docentes da rede de educação de Maceió.