Departamento Jurídico do CSA prepara defesa, após polêmica, e mantém preços para jogo com o Vasco

Superintendente financeiro do clube garantiu que a posição oficial é de não baixar os preços para a torcida vascaína

Cerca de um dia após o Vasco entrar com um requerimento junto à CBF, pedindo a diminuição dos preços dos ingressos para os visitantes, o CSA se posicionou. Na noite desta quarta-feira (17), a Gazetaweb entrou em contato com o superintendente jurídico e financeiro do clube, Gilson Romeiro. Ele confirmou que a ideia é manter os preços para a torcida vascaína e ainda afirmou que o Azulão vai se defender.

"O jurídico do CSA já está fazendo a defesa. Até o momento, nós não temos nenhum posicionamento de baixar preço. Mantém-se os ingressos e estamos encaminhando à defesa do clube, visto que em outros jogos já foram feitos esses procedimentos. Não é a primeira vez que a gente faz isso. Todos os clubes do Brasil fazem esse procedimento, não é praxe do CSA", contou Gilson.

A polêmica começou após a divulgação dos valores dos bilhetes para o confronto entre CSA e Vasco, nesta quinta-feira (18), às 20 horas, no Trapichão. Por conta da reclamação dos vascaínos em Maceió, o clube carioca reclamou.

"Isso é praticamente uma regra, que o visitante pague um pouco mais, às vezes. Aqui, já tivemos ingressos iguais e já tivemos ingressos um pouco mais caros. Nosso jurídico já está fazendo a defesa, nós estamos encaminhando um documento para a CBF informando essa situação, que é uma coisa comum, dentro dos jogos do Campeonato Brasileiro", disse.

Com isso, os valores seguem os mesmos. A torcida do Vasco terá que desembolsar R$ 160 no bilhete inteiro, ou R$ 80 quem tiver direito à meia entrada. Gilson pregou respeito à torcida do Vasco e relembrou um caso parecido, em CSA x Cruzeiro, onde não houve reclamação por parte dos mineiros.

"A exemplo de alguns jogos, o próprio CSA x Cruzeiro foi dessa forma e não houve nenhum questionamento. A gente respeita o torcedor do Vasco da Gama, mas a gente mantém esse posicionamento e os advogados já estão encaminhando a resposta, tanto para o Procon, quanto para a CBF", finalizou.