Após vitória do CSA, Mozart afirma que precisa melhorar a defesa do time

Treinador afirmou que a fase ofensiva do time agradou, mas que, na defesa, notou pontos que precisam ser trabalhados nos treinamentos

O CSA iniciou a temporada com o pé direito ao vencer o Aliança por 3 a 1 no Rei Pelé, na noite dessa quinta-feira (20). Com pouco tempo de trabalho na pré-temporada, Mozart ainda não teve um vislumbre do futebol que a equipe apresentará ao longo de 2022, mas já notou os primeiros pontos positivos e negativos que precisam ser corrigidos.

"É difícil ainda projetar alguma coisa, porque tivemos apenas 16 dias de preparação. Dentro desses, foram três dias só de análises clínicas; então de treinamento propriamente dito, são 13, 14 dias. É muito pouco tempo. Tem jogador que ainda está longe do seu condicionamento físico. O que posso dizer do jogo hoje é que eu gostei bastante. Decidimos não fazer amistosos para focar exclusivamente nos treinamentos. Para ser o primeiro jogo, ofensivamente produzimos bastante, mas defensivamente precisamos melhorar de maneira coletiva", disse.

Mozart, então, elencou os principais pontos a serem melhorados na defesa do Azulão. Pela fala do comandante, os maiores defeitos estão nos confrontos no um contra um, principalmente em duelos nas laterais do campo.

"Montarmos melhor as linhas, sermos mais efetivos na hora de pressionar, não tomarmos dribles bobos, sermos mais fortes em duelos individuais, em duelos laterais, para evitarmos cruzamentos a todo momento, sermos fortes nos cruzamentos... Então, defensivamente, nós devemos e vamos melhorar, e, ofensivamente, a tendência é que a gente continue criando bastante", elencou o técnico.

Enquanto que a fase defensiva lateral foi alvo de melhoras nos próximos dias, as laterais no ataque, contudo, são pontos fortes da equipe. Tanto que o primeiro e o segundo gol nascem em jogadas da lateral e cruzamentos na área.

"Meu time chega muito bem pelos lados e combina bem o lateral com o ponta e o meia. Nós já fazíamos isso no ano passado e iniciamos fazendo bem novamente. Então é evoluir como uma equipe, porque eu entendo que o jogo tem duas partes: com e sem a bola. Com a bola, produzimos bem, sem a bola, precisamos melhorar bastante", afirmou Mozart.

Autor do segundo gol da equipe, Rodrigo Rodrigues começa a se firmar na equipe. Ele chegou ao CSA no fim da temporada passada, mas não teve espaços com a boa fase de Dellatorre. Mozart falou sobre a chegada do jogador e afirmou que não procurará um novo centroavante neste momento.

CSA bateu o Aliança por 3 a 1 na abertura do Alagoano 2022 - Foto: Ailton Cruz

"O Rodrigo sempre foi um jogador muito efetivo, é que o Dellatorre não deu brechas para ele. O Dellatorre foi o artilheiro durante a temporada, um dos artilheiros do Brasil. Acabou que o Rodrigo não teve muito espaço. E ele teve azar também, pois na primeira semana que ele chegou, teve uma lesão muscular e perdeu 10 dias de preparação. No elenco, temos dois centroavantes de ofício, e eu, provavelmente, durante esse início de temporada, não pretendo trazer nenhum centroavante. A disputa está aberta entre o Rodrigo e o Dalberto. Pode ser que, em algum momento, use dois centroavantes. Fiz isso contra o Coritiba. Eles tem características um pouco diferentes, eles podem jogar juntos", explicou.

O próximo compromisso do Azulão já será neste domingo (23). Dessa vez, o adversário será o Sousa-PB pela primeira rodada da Copa do Nordeste. Mozart reclamou do protocolo da Covid da competição, chamado de "confuso" pelo treinador. Mozart também falou sobre as diferenças de pré-temporada entre o Brasil e Europa.

"Precisamos ver como esses jogadores vão se reapresentar amanhã, ver esse protocolo da Covid, porque está muito confuso ainda, pois fomos notificados ontem que os jogadores precisam estar com as duas doses da vacina. Enfim, precisamos que o protocolo seja esclarecido pra definir a equipe que vai enfrentar o Sousa. Temos que avaliar as condições do gramado também, porque não adianta colocar um time técnico num gramado que não é tão bom assim. Provavelmente é uma equipe que tem um mês a mais de preparação. É extremamente difícil se preparar em 16 dias. Joguei 12 anos na Europa, onde a gente tem 40 dias de preparação. Não existe milagre. Dentro de 16 dias, perdemos sete titulares. É uma realidade, não um álibi", completou.