Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > ECONOMIA

PCA acelera para 0,38% em abril, acima da projeção do mercado

De acordo com IBGE, índice de preços que mede a inflação oficial do país foi puxado por alta de produtos


				
					PCA acelera para 0,38% em abril, acima da projeção do mercado
Produtos alimentícios estão inclusos. Getty Images

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial do país, registrou alta de 0,38% em abril, 0,22 ponto percentual (p.p.) acima do valor de março (0,16%). A informação foi divulgada nesta sexta-feira (10/5) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O número foi pouco superior à expectativa do mercado, que esperava uma elevação de 0,35%.

No acumulado em 12 meses até abril, o IPCA ficou em 3,69%, abaixo dos 3,93% observados nos 12 meses imediatamente anteriores. Os especialistas também esperavam um valor menor, de 3,65% para o período.

Leia também

Os grupos “Saúde e cuidados pessoais” (1,16%) e “Alimentação e bebidas” (0,70%) foram os destaques no índice de abril, sendo responsáveis pelos maiores impactos no IPCA, ambos com 0,15 p.p. Em seguida, com impacto de 0,03 p.p., vieram “Vestuário” (0,55%) e “Transportes” (0,14%). Os demais valores ficaram entre o -0,26% para “Artigos de residência”, que junto com “Habitação” (-0,01%) foram os únicos grupos com variação negativa neste mês, e 0,48% para “Comunicação”.

Medicamentos

Em abril, sete dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados tiveram alta de preços. “Saúde e cuidados pessoais foi impactado pela alta de preços dos produtos farmacêuticos (2,84%), em decorrência do reajuste de até 4,5% autorizado pela CMED (Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos), a partir de 31 de março”, explica André Almeida, gerente do IPCA.

Alimentação

No grupo “Alimentação e bebidas” (0,70%), que em março havia apresentado a variação mais intensa (0,53%) e o maior impacto (0,11 p.p.), a alimentação no domicílio acelerou de 0,59% no mês anterior para 0,81% em abril. Mamão (22,76%), cebola (15,63%), tomate (14,09%) e café moído (3,08%) apresentaram as altas mais expressivas, provocadas pela menor oferta desses produtos em abril. “Fenômenos climáticos ocorridos no fim de 2023 e no começo de 2024 afetaram a produção”, diz Almeida.

Já a alimentação fora do domicílio (0,39%) registrou variação semelhante à de março (0,35%). Embora o lanche tenha desacelerado de 0,66% para 0,44%, o subitem refeição (0,34%) mostrou variação maior do que a verificada em março (0,09%).

Transportes

Após variação negativa no mês passado (-0,33%), “Transportes” (0,14%) teve os subitens com maior impacto positivo e maior impacto negativo no índice de abril, de modo que eles acabaram se anulando. Houve queda na passagem aérea (-12,09% e -0,08 p.p.). No que se refere aos combustíveis (1,74%), somente gás veicular (-0,51%) teve diminuição de preços. Etanol (4,56%), gasolina (1,50%) e óleo diesel (0,32%) registraram altas. A gasolina (0,08 p.p.) foi o subitem com maior impacto positivo no IPCA de abril.

Ainda em “Transportes”, a variação do metrô (1,72%) sofreu influência do reajuste de 8,69% no Rio de Janeiro (5,07%), a partir de 12 de abril. Em ônibus urbano (0,01%), houve reajuste de 2,15% em Campo Grande (1,06%), a partir de 15 de março. A alta do subitem táxi (0,21%) é resultado do reajuste médio de 17,64%, a partir de 22 de abril, em Recife (4,84%).

Grupos com redução de preço

Quanto aos grupos em que houve redução de preços em abril, “Habitação” (-0,01%) foi impactado pelo aumento da taxa de água e esgoto (0,09%), que por sua vez foi influenciada pelo reajuste de 1,95% em Goiânia (1,75%). Outro fator que contribuiu foi a energia elétrica residencial (-0,46%), devido aos reajustes tarifários efetuados em Salvador (BA), Aracaju (SE), Rio de Janeiro (RJ), Recife (PE), Campo Grande (MS) e Fortaleza (CE). No caso de “Artigos de residência” (-0,26%), o destaque ficou com a diminuição dos preços de computadores e televisores.

Índices regionais

Em relação aos índices regionais, apenas Fortaleza (-0,15%) teve queda de preços em abril. Isso foi consequência das reduções que ocorreram na gasolina (-3,97%) e na energia elétrica residencial (-3,80%). A maior variação foi em Aracaju (0,78%), provocada principalmente pelas altas da cebola (27,77%) e do tomate (23,20%).

Regionalmente, Fortaleza (-0,13%) foi a única unidade da federação a registrar queda de preços em abril, influenciada pela energia elétrica residencial (-3,98%) e pela gasolina (-3,97%). Já a maior variação aconteceu em Aracaju (0,84%), por conta das altas da cebola (27,77%) e do tomate (23,20%).

INPC

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que abrange as famílias com renda entre 1 e 5 salários mínimos (veja explicação abaixo), teve alta de 0,37% em abril, 0,18 p.p. acima do registrado em março (0,19%). No ano, o INPC acumula alta de 1,95% e, nos últimos 12 meses, de 3,23%, abaixo dos 3,40% observados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em abril de 2023, a taxa foi de 0,53%.

Os preços dos produtos alimentícios passaram de 0,50% de variação em março para 0,57% em abril. A variação dos não alimentícios também foi maior. Enquanto em março a alta havia sido de 0,09%, em abril foi de 0,31%.

Sobre o IPCA

O IPCA abrange as famílias com rendimentos de 1 a 40 salários mínimos, enquanto o INPC, as famílias com rendimentos de 1 a 5 salários mínimos, residentes nas regiões metropolitanas de Belém, Fortaleza, Recife, Salvador, Belo Horizonte, Vitória, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Porto Alegre, além do Distrito Federal e dos municípios de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís e Aracaju. O próximo resultado do IPCA, referente a maio, será divulgado em 11 de junho.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas