Irmãos levantam debate nas redes ao anunciarem relacionamento amoroso

Post que serviu para oficializar a união dos irmãos biológicos viralizou, recebeu críticas e, claro, gerou memes

Um tuíte se tornou viral na última terça-feira (30/8) e tem causado polêmica nas redes sociais. O motivo para isso é que, nele, o usuário Yulia anuncia que está mantendo uma relação amorosa com ninguém menos que sua irmã biológica.

“Incesto? Nesse ponto já não nos importamos com o que as pessoas têm a dizer, é consensual e somos dois adultos”, afirma. Yulia ainda reforça que, ainda que tenha crescido ao lado da parceira, a vê como mulher.

O internauta ainda garantiu que os dois estão muito felizes, e que pretendem casar e ter filhos. “Nós nos amamos e nos desejamos mutuamente”, finalizou. Nos comentários, as pessoas se revoltaram, criticaram e, claro, fizeram piadas. Contudo, houve também quem incentivasse.

Muitas pessoas, inclusive, comparam a relação ao incesto apresentado na nova série da HBO, A Casa do Dragão. Nela, Daemon e Rhaenyra Targaryen – tio e sobrinha – vivem um affair.

Incesto? nesse ponto já não nos importamos com oq as pessoas tem a dizer, é consensual e somos dois adultos depois de manter tanto nossos afetos às escondidas (principalmente da nossa família) nós finalmente decidimos oficializar isso. SIM - Foto: Reprodução/Twitter

Atualmente, o incesto não é considerado crime no Brasil, a menos que envolva menores de 14 anos, quando passa a ser enquadrado como estupro de vulnerável. O Código Civil, por sua vez, apenas proíbe as uniões civis entre parentes próximos por sangue ou afinidade.

No âmbito do Legislativo, o Projeto de Lei 603/21, do deputado Sanderson (PSL-RS), criminaliza a prática de incesto no Brasil. O texto prevê reclusão de um a cinco anos para quem mantiver relação sexual com pai ou mãe, filho ou filha, irmão ou irmã e ainda avô ou avó, seja parente consanguíneo ou por afinidade.

A proposta acrescenta um artigo ao Código Penal. No Brasil, o incesto não é crime, a não ser que envolva crianças e adolescentes. Se, ao contrário, os envolvidos são adultos e não agem sob ameaça ou violência, não há proibição para a prática.