Imagem
Menu lateral
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > BRASIL

Saiba o que acontece com fantasias e alegorias com o fim do carnaval

De acordo com os representantes das escolas, os itens podem ter três destinos: reutilização ou reciclagem; venda ou doação; ou, em último caso, o lixo

Para as escolas de samba, o término do carnaval significa o fim de um trabalho de quase um ano. Mas o que acontece com a decoração no fim da festa? Ou melhor, o que as escolas fazem com os carros e as fantasias depois dos desfiles?

Na semana após o Desfile das Campeãs, o g1 visitou a Fábrica do Samba, no Bom Retiro, no Centro de São Paulo, e conversou com a Dragões da Real. Outras escolas colaboraram por escrito.

Leia também

Em resumo, depois dos desfiles, os adereços e alegorias podem seguir três destinos:

  • Reuso ou reciclagem;
  • Venda ou doação para escolas menores;
  • Descarte.

"O que vai ser reutilizado ou o que vai ser vendido é sempre definido pelo carnavalesco e pelo diretor de Carnaval", explica Anselmo Fernandes, diretor de ala da Dragões.

Segundo Fernandes, esse processo começa logo após o término da última apresentação da agremiação. Neste ano, depois do Desfile das Campeãs, a escola remanejou as fantasias para a Fábrica ou para a quadra e dali começou a retirar o que vai ser reutilizado e a separar do que vai ser doado.

Os carros alegóricos ficam mais tempo no Sambódromo do Anhembi e têm suas peças retiradas ali mesmo para a venda. Quando retornam para a Fábrica do Samba - para passar pelo mesmo processo das fantasias - estão apenas com os itens que serão reutilizados ou descartados.

Fernandes estima que cerca de 20% a 30% das fantasias e alegorias conseguem ser aproveitados em outros carnavais. "Por efeito estético, não dá para entrar com a mesma fantasia no próximo ano, então existe o reaproveitamento, e o restante a gente vende ou cede para outras escolas", explica.

Ele diz ainda que os materiais mais reutilizados são os mais caros, como ráfias, pedrarias, plumas e penas, além das estruturas de aço que seguram os adereços, como chapéus, e assessórios de mão, como lanças. Eles conseguem, facilmente, ser transformados em outros objetos ou ser tingidos para ganharem outras cores.

Se a escola decide que o material será vendido, as compradoras são outras agremiações menores, geralmente de cidades do interior do estado ou de grupos abaixo do Especial.

Tanto a reciclagem quanto a venda ajudam a resolver duas preocupações da escola: a sustentabilidade e o preço pago pelo componente.

"Esse processo torna acessível a comunidade estar dentro da escola", diz Fernandes. "Se você deixa a fantasia muito cara, você pode trazer pessoas que não tenham identificação com a escola e o que a gente quer é que efetivamente as pessoas da nossa comunidade desfilem junto com a gente".

O diretor de ala explica, ainda, que os materiais só são descartados em último caso. "Têm algumas partes, como penas e plumas, que já foram muito reutilizadas, tingidas diversas vezes e começam a desgastar. Aí não dá para usar", conta.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na App Store

Relacionadas