Com dívida de R$ 15 milhões, unidades de saúde suspendem atendimento por falta de repasse da Sesau

Atualmente, o consórcio intermunicipal contempla mais de 500 mil habitantes situados na Região Sul de Alagoas

Atendimentos de média e alta complexidade realizados por meio do Conisul (Consórcio Intermunicipal do Sul do Estado de Alagoas) começaram a ser suspensos nesta sexta-feira (5), de acordo com informações do próprio9 consórcio. O motivo é a dívida de R$ 15 milhões da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), que não tem feito os repasses.

Segundo o Conisul, a Sesau está com dez parcelas atrasadas dos recursos provenientes de um convênio entre a pasta e o consórcio, que considera esse convênio como um dos instrumentos mais importantes para a realização de exames, cirurgias e consultas especializadas.

Atualmente, o consórcio intermunicipal contempla mais de 500 mil habitantes situados na Região Sul de Alagoas.

Após inúmeras reuniões e tratativas por parte da presidência e superintendência do Consórcio, os secretários da Sesau, Gustavo Pontes e da Fazenda, George Santoro, afirmaram ao presidente, Marcelo Beltrão, que efetuarão os pagamentos no próximo dia 10 de agosto.

“Em julho, foi liberada uma parcela, mas o valor é pequeno diante do montante devido. A situação crítica tem gerado uma crise na saúde da população, uma vez que os diagnósticos e consequentemente, os tratamentos, não estão sendo realizados da maneira adequada”, destacou a superintendente, Pauline Pereira.

De acordo com os dados do Conisul, em 2021 foram realizadas quase 45 mil consultas, dentro de um elenco de 21 especialidades médicas, mais de 500 mil exames e cerca de 2 mil cirurgias. Os números são apenas dos últimos doze meses de execução de um convênio que já existe há oito anos.

*Com assessoria