Namoro de Roberta Miranda com travesti vem à tona após revelação da cantora: 'Ninguém pode julgar'

Cantora disse ter vivido sexualidade plena, ainda que de forma reservada

Roberta Miranda está na trilha sonora do remake de "Pantanal" (veja resumo dos capítulos da novela), interpretando "Chalana", a cantora une tradição e novas tecnologias para manter o título de Rainha do Sertanejo, como foi consagrada em seus 36 anos de carreira.

Ativa nas redes sociais, onde interage com o público e lança suas canções, Roberta preparou o terreno para a geração do "feminejo", num momento em que a música regional era, bem mais que hoje, um território masculino.

Os caminhos abertos por Roberta não se restringem ao âmbito profissional. Aos 65 anos, a artista falou publicamente das experiências sexuais do passado, como o namoro com uma travesti aos 16 anos, paixão que não viveu na época pela repressão da família, e o fato de se dizer "trissexual", sem deixar que a rotulem.

"Nunca gostei de falar muito da minha vida pessoal, acho que ela pertence só a mim, e sempre fui cobrada de forma exacerbada. Ninguém pode julgar ninguém. E se tentarem fazer comigo, digo: 'A vida é minha, o corpo é meu, não estou pedindo o seu emprestado. Você não paga minhas contas e nem pisou onde eu pisei para saber de mim'", disse ao jornal "O Globo".

"Não é que agora esteja vivendo a minha sexualidade de forma mais plena, sempre vivi isso. Mas sempre fui reservada, por ser de uma família mais rígida, e respeitei muito isso. E, como meu analista diz, algumas fantasias têm que ficar na fantasia", declarou.