Após reunião com Sinovac, Butantan diz não ter data para retomar produção

Presidente do instituto, Dimas Covas, se reuniu nesta sexta (14) com o laboratório Sinovac Biotech

O Instituto Butantan ainda não tem previsão de quando deve retomar a produção da vacina CoronaVac. O presidente do instituto, Dimas Covas, se reuniu hoje com o laboratório Sinovac Biotech, que desenvolve a vacina na China, e disse não ter sido notificado de uma nova data de entrega dos insumos.

Em entrevista coletiva durante a entrega do último lote de mais de 1 milhão de doses da CoronaVac na manhã de hoje, Covas ressaltou que haverá atraso na programação de entrega de vacinas em maio e junho ao Ministério da Saúde.

A coordenadora do Controle de Doenças do estado, Regiane de Paula, também ressaltou que o calendário de vacinação será impactado. "Podemos diminuir o ritmo, mas nós não paramos. Esperamos que o governo federal se sensibilize. Estamos em situação muito difícil".

10 mil litros de IFA parados

O governo de São Paulo aguarda a chegada de 10 mil litros de IFA (Insumo Farmacêutico Ativo) que estão parados na China à espera de liberação do governo chinês para embarque ao Brasil.

A previsão inicial era que os insumos fossem liberados ontem da China e chegassem ao território brasileiro no próximo dia 18, conforme já anunciado pelo governo estadual. Mas Covas disse que os chineses desmarcaram essa data e não deram um novo prazo.

O Butantan, assim como a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), recebe insumos chineses para a produção da vacina da AstraZeneca. Ontem, o laboratório carioca foi avisado de que começará a receber no próximo dia 22 novos compostos de vacina.

Covas considerou que a liberação pode ser um sinal de que o Butantan também deve adquirir os insumos em breve. "Se começou a liberar insumos, já é uma boa notícia", declarou.

Regiane de Paula também demonstrou insatisfação com os atrasos na entrega das vacinas da Fiocruz.

Doria volta a culpar Bolsonaro por atraso

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), tem colocado a culpa do atraso nos insumos nas críticas feitas pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) à China. Bolsonaro fez alusão de que a China estaria promovendo uma "guerra química" e se beneficiando economicamente da pandemia.

"Há um entrave diplomático fruto de declarações desastrosas do governo federal. Isso gerou um bloqueio por parte do governo chinês", afirmou Doria.

O ministério das Relações Exteriores, no entanto, dá outra justificativa e diz que os atrasos são causados pela alta demanda de vacinas da China, e que não há retaliação diplomática com o Brasil.