Pesquisa: 77% dos internautas se preocupam com uso de dados no Brasil

Levantamento mostra que 42% dos brasileiros se preocupam com o tratamento de suas informações pessoais em aplicativos e sites

Levantamento divulgado nesta quinta-feira (18/8) mostra que 77% dos internautas brasileiros já desinstalaram aplicativos por preocupação com uso de dados pessoais em plataformas virtuais, de acordo com Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic).

A pesquisa aponta, também, que 69% dos usuários brasileiros acima de 16 anos já deixaram de visitar algum website por conta da preocupação com a utilização de suas informações pessoais. Já 56% dos usuários deixaram de utilizar algum serviço ou plataforma na internet e 45% desistiram de comprar algum equipamento eletrônico.

O levantamento foi realizado por meio de entrevistas com 2.556 pessoas que possuem acesso à internet, entre novembro e dezembro de 2021.

Entre as atividades que mais preocupam os usuários da internet está a compra on-line, por meio de sites ou aplicativos: 42% dos internautas se sentem “muito preocupados” e outros 25% afirmaram ficar “preocupados” com a captura e o tratamento de seus dados pessoais por essas plataformas.

Atrás das compras on-line, a segunda atividade que mais preocupa os brasileiros são os aplicativos e sites de bancos. Dos entrevistados, 35% estão muito preocupados e 24%, preocupados.

Adequação à LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), de 2018, tem como princípio proteger os dados e a privacidade dos usuários brasileiros. Com a lei, os sites e plataformas ficam proibidos de compartilhar as informações pessoais dos internautas sem consentimento prévio. Dessa forma, é necessário informar qual a finalidade específica do compartilhamento dos dados utilizados.

Após dois anos que a LGPD entrou em vigor, apenas 17% das empresas possuem encarregados de dados, sendo que essa proporção é de 43% entre as de grande porte, 29% nas de médio porte e 15% nas de pequeno porte.

“Investir em práticas organizacionais de adequação à LGPD contribui, em última instância, para a construção de uma cultura de proteção de dados no país”, destaca o gerente do Cetic, Alexandre Barbosa.