Leonardo Dias repudia discurso de Lula sobre ajuda para libertar sequestradores

Vereador relembrou que o discurso proferido por Lula foi aplaudido por políticos e militantes

Em seu pronunciamento na Sessão Ordinária desta terça-feira (21), o vereador Leonardo Dias (PL) repudiou o discurso do ex-presidente Lula (PT) durante sua passagem a Maceió, ocorrida na semana passada.

Na ocasião, o petista confessou ter pedido o apoio do então ministro da Justiça, e atual senador Renan Calheiros (MDB), para que o presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, pudesse libertar os 10 sequestradores do empresário Abílio Diniz, no ano de 1998.

“O empresário Abílio Diniz, que passou 6 dias em um buraco, tendo que respirar com um pedaço de cano para não morrer sufocado e que foi torturado. O ex-presidiário Lula tratou sequestradores como meninos que apenas cometeram um erro. Não é novidade que ele [Lula] defende bandido, pois é isso que ele tem feito durante sua vida inteira. Aquele grupo de criminosos era chefiado pelo Humberto Paz, que tinha ligações com pelo menos 12 grupos terroristas. Esses indivíduos foram responsáveis por outros sequestros, como dos publicitários Luiz Sales, Geraldo Alonso e Washington Olivetto. Na verdade, era uma quadrilha de bandidos de esquerda que estava no Brasil sequestrando empresários para financiar campanhas políticas. Isso tudo ocorreu entre o primeiro e o segundo turno da eleição presidencial de 1989, onde Lula foi candidato”, pontuou Dias.

“No cativeiro, inclusive, foram encontrados materiais de campanha do próprio candidato Lula. Esses indivíduos eram revolucionários, que vieram para causar o terror para muitas famílias. Chegaram a conseguir 30 milhões de dólares pelo resgate com o objetivo de financiar campanhas de políticos de esquerda”, complementou Leonardo.

O vereador relembrou que o discurso proferido por Lula foi aplaudido por políticos e militantes que estavam presentes no evento, que reuniu também o atual governador de Alagoas, Paulo Dantas (MDB); o pré-candidato ao senado, Renan Filho (MDB) e Geraldo Alckmin, pré-candidato a vice-presidente.

“O Lula teve o disparate de defender essa espécie de pessoas. Me assusta que tenha sido aplaudido e cortejado por inúmeros políticos e militantes de esquerda. Por mais que cada um tenha suas convicções políticas, é preciso atentar que o senador Renan Calheiros foi trazido, pelo próprio Lula, para a cena de cumplicidade deste crime, já que como ministro da Justiça, teria intervido para poder libertar esses 10 vagabundos”, frisou.

O edil reafirmou o seu apoio ao presidente Jair Bolsonaro (PL), que se apresenta como caminho mais viável de frear o retorno de Lula ao Palácio do Planalto nas próximas eleições. O vereador destacou que a defesa dos cidadãos de bem e dos trabalhadores tem sido uma das preocupações do Governo Federal.

“A eleição que vamos enfrentar agora e que teremos pela frente não será normal. Vamos ter que escolher entre um presidente que quer o bandido solto e um outro que quer bandido preso. Nunca ficou tão fácil escolher. Fica o meu repúdio ao ex-presidiário Lula, que infelizmente não foi inocentado, mas foi ‘descondenado’ pela nossa Suprema Corte, Deus sabe lá com qual objetivo. O que temos visto é um avanço de grupos terroristas chegando ao poder na América Latina. Conseguimos nos livrar deles em 2018 e, em 2022, pela graça de Deus, nós conseguiremos manter o nosso Brasil livre daqueles que assaltaram o nosso país durante décadas. Que possamos nos libertar dessas pessoas, porque tão podre quanto o Lula é essa família chamada Calheiros. Eu tenho certeza de que daremos uma resposta e nos livraremos de todos eles”, concluiu.

*com informações da assessoria.