Apenas um município alagoano tem somente mulheres na disputa pela prefeitura

Percentual das cidades em que apenas homens concorrem, por outro lado, equivale a 60% do total

Apesar do aumento do número de candidatas este ano e delas serem maioria do eleitorado no Brasil, em Alagoas, somente um município tem apenas mulheres na disputa pela prefeitura. É o que aponta o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). 
Apenas a Barra de Santo Antônio, no Litoral Norte do estado, tem somente mulheres concorrendo às eleições: Emanuella Moura (DEM), que busca a reeleição, e Lívia Carla (PTB), que atualmente é vice-prefeita. 
As duas candidaturas - de Emanuella e Lívia - ainda estão sob análise do TSE e parecem dividir o eleitorado do município. Trinta e nove cidades de treze estados brasileiros têm somente mulheres na disputa pelas prefeituras, mas somente Alagoas tem apenas um município nessa situação. 
O percentual de municípios brasileiros que terão apenas mulheres como candidatas à prefeitura é de menos de 1%. Quando se fala de somente  homens concorrendo, por outro lado, equivale a 60% do total. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) discute iniciativas que possam  promover a ampliação da presença das mulheres nos espaços de poder. 
"Algumas características chamam a atenção no grupo dos municípios com apenas mulheres na disputa. São cidades pequenas, com no máximo 45 mil eleitores (Camocim-CE) e mínimo de 2 mil eleitores (São José do Brejo da Cruz-PB). A maior parte está localizada em estados do Nordeste", diz trecho de um levantamento divulgado pelo G1.
O artigo 17 da Resolução TSE nº 23.607/2019 - que  dispõe sobre a arrecadação e os gastos de recursos por partidos políticos e candidatos, bem como sobre a prestação de contas nas Eleições 2020 - estabelece que as agremiações devem destinar no mínimo 30% do montante do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC), também conhecido como Fundo Especial, para ampliar as campanhas de suas candidatas.