Imagem
Menu lateral
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > MACEIÓ

Funcionários terceirizados da Uncisal denunciam atraso salarial de 3 meses

Prestadores de serviço temem demissão em caso de greve

Funcionários de empresas terceirizadas que prestam serviços para a Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (UNCISAL) denunciam que estão há três meses sem receber os salários. Afirmam, ainda, que passagens e tickets- alimentação também não estão sendo pagos devidamente.

Devido ao atraso, muitos funcionários estão passando por dificuldades, como a falta de alimentos, por exemplo, e contam com a ajuda de parentes próximos, para os pagamentos com despesas de casa, como água e luz.

Leia também

"Ainda tenho minha esposa que trabalha e ajuda dentro de casa, mas muita gente não tem nem isso. As condições estão ficando difíceis. Nós trabalhamos e só queremos ter nossos direitos", afirma um trabalhador da empresa terceirizada, que não quis se identificar.

ÀGazetaweb, ele disse que, apesar dos atrasos salariais, os funcionários continuam trabalhando normalmente, pois temem uma grande demissão, caso seja deflagrada uma greve. "Estamos trabalhando todos os dias com pagamento ou não. Se a gente fizer greve, pode acabar sendo demitido", argumentou.

Os setores afetados com o atraso no pagamento são os de serviços gerais e segurança.

UNCISAL

A nova gestão da Uncisal, que assumiu há 3 semanas, diz estar trabalhando para resolver o problema e espera - até o final do ano - colocar todos os pagamentos em dia.

"Todo o material está sendo analisado pelo setor jurídico para saber em que pé está a situação e, somente depois disso, haverá a liberação do recurso. Mas uma grande preocupação nossa é com a questão da legalidade e transparência dessa nova gestão. Tudo será feito dentro da legalidade", explica Henrique Costa, reitor da universidade.

Ainda segundo o reitor, com relação à gestão passada, será necessário abrir sindicância para apurar o que, de fato, ocorreu para que houvesse esse atraso.

O próximo passo, segundo ele, será realizar o pagamento de uma parcela que está em atraso e, ao final do ano, normalizar a situação.

Campanha de doação

Sensibilizados com a situação vivida pelos funcionários, alunos do curso de Enfermagem estão se mobilizando para arrecadar alimentos não perecíveis para a montagem de cestas básicas que serão entregues no início de dezembro.

Segundo uma das organizadoras da campanha, a estudante Paula Oliveira, a campanha começou ontem (15), inicialmente com alunos do curso de Enfermagem, mas que, na próxima terça (21), será feita uma reunião com professores de outros cursos para que toda a universidade possa se engajar nesse ato de amor ao próximo.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na App Store

Tags

Relacionadas