Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
X
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > JUSTIÇA

Em delação à PF, Lessa detalha valores e motivação para matar Marielle

Ronnie Lessa informou à PF que a negociação era em torno de terrenos milionários que podiam ter venda barrada por atuação de Marielle Franco


				
					Em delação à PF, Lessa detalha valores e motivação para matar Marielle
Ronnie Lessa. Foto: Reprodução

A vereadora do Rio Marielle Franco (PSol) foi morta por representar um obstáculo para a especulação fundiária da milícia, delatou seu assassino. Em documento entregue à Polícia Federal antes mesmo de fechar a delação premiada, o ex-policial militar do Rio de Janeiro Ronnie Lessa apontou que a motivação do crime contra a parlamentar envolvia interesses em condomínios. Segundo Lessa, em reunião realizada com Chiquinho e Domingos Brazão, em setembro de 2017, ficou acordado que as vendas dos loteamentos Nova Medellin e Nova Medellin II renderiam milhões de reais aos mandantes do crime e aos executores.

Em tópico da delação batizado como “motivação” pela PF, Lessa detalha que seriam feitos pela milícia dois loteamentos com 500 lotes cada, e cada lote com o preço de R$ 100 mil. Assim, as vendas totalizariam R$ 50 milhões, sendo 50% para os mandantes e 50% para Lessa e o intermediador, Macalé.

Leia também

Veja relato de reunião intitulada “Operação Nova Medellin” aqui.

Com a apuração dos elementos levantados por Lessa e as novas provas no decorrer do processo, ficou confirmado, ainda segundo a PF, que a disputa dos irmãos Brazão, um deputado federal e outro conselheiro do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro, se dava em torno do Projeto de Lei 174/2016 na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, que tratava da regularização de um condomínio na zona oeste do Rio de Janeiro.

Segundo anunciou o ministro da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Lewandowski, em março, essa disputa foi um dos principais motivadores para as mortes da vereadora Marielle Franco e do motorista dela, Anderson Gomes, que ficou na linha de tiro.

Lewandowski leu parte do relatório da Polícia Federal, com cerca de 470 páginas, que originou a identificação dos suspeitos de serem os mandantes do crime e a prisão deles. Citando a PF, o ministro da Justiça e Segurança Pública afirmou que o cenário teve um recrudescimento no segundo semestre de 2017, quando ocorreu a reunião entre Lessa e os irmãos Brazão.

Segundo o ministro, a votação do PL n° 174/2016 gerou uma “descontrolada reação” de Chiquinho Brazão contra Marielle. “Ficou delineada a divergência, no campo político, sobre questões de regularização fundiária e defesa do direito de moradia”, disse Lewandowski.

Marielle queria a regularização das terras para fins sociais, mas os irmãos Brazão, conforme aponta relatório da PF, queriam lucrar com os terrenos.

Enquanto os mandantes do crime buscavam a regularização de um condomínio na região de Jacarepaguá, Marielle, como vereadora, estaria articulando para que a ocupação do terreno fosse acompanhada pela Defensoria Pública e pelo Instituto de Terras e Cartografia do Rio.

Esse desentendimento e outras desavenças ao longo do mandato teriam irritado Domingos Brazão, que, ao lado do irmão, Chiquinho Brazão, e do então chefe da Polícia Civil do Rio Rivaldo Barbosa, teria orquestrado o assassinato de Marielle.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas

X