Polícia Civil abre inquérito para apurar deslizamento no Paraná

Investigação sobre causas e possíveis responsabilidades do acidente está sendo realizada na Delegacia de Delitos de Trânsito

A Polícia Civil do Paraná (PC-PR) confirmou, neste sábado (3), que abriu inquérito para apurar o deslizamento de terra na BR-376, em Guaratuba, no litoral do Paraná. Duas pessoas morreram no acidente e 12 se salvaram.

Segundo a polícia, a investigação ocorre na Delegacia de Delitos de Trânsito (Dedetran), em Curitiba, para apurar as causas e possíveis responsabilidades do acidente. A data em que o inquérito foi formalizado não foi divulgada.

A RPC apurou que neste sábado a polícia ouve pelo menos duas testemunhas sobre o caso.

O g1 aguarda retorno da Arteris Litoral Sul, concessionária responsável pelo trecho, para comentar a abertura do inquérito policial.

Na quinta-feira (1º) o Ministério Público Federal (MPF) do Paraná abriu um procedimento para investigar "eventual responsabilidade" da Polícia Rodoviária Federal (PRF) no acidente. Dois dias após o deslizamento, a PRF afirmou em coletiva que a decisão sobre o fechamento da rodovia cabia à Arteris. Em resposta, a concessionária disse que ainda era prematuro apontar as causas do acidente.

Desde o deslizamento, a rodovia que liga o Paraná a Santa Catarina está interditada nos dois sentidos e não tem previsão para ser liberada.

Na sexta-feira (2), o Governo do Paraná encerrou as buscas por desaparecidos no local do acidente depois de equipes de resgate conseguirem acessar todos os pontos onde poderiam estar vítimas e veículos. No acidente, segundo o Gabinete de Crise do governo, três carros e seis caminhões foram retirados do local.

Avaliação da rodovia

Neste sábado, equipes da Arteris Litoral Sul vão realizar uma vistoria técnica da rodovia. O horário não foi informado.

De acordo com o secretário de segurança pública do Paraná Wagner Mesquita, a avaliação é para análise sobre eventual retomada de funcionamento da rodovia.

Em nota, a PRF afirmou que a concessionária vai informar quando as condições de segurança forem apropriadas na rodovia, para em seguida a polícia coordenar uma operação para o “restabelecimento da normalidade do fluxo de veículos”.

Mortos

Dois caminheiros morreram no acidente na rodovia. Os corpos dos dois foram localizados em 29 de novembro.

O primeiro a ter o corpo localizado foi João Pires, de 60 anos.

O segundo corpo encontrado foi o de Márcio Rogério de Souza, de 51 anos. Os trabalhos de remoção do corpo dele demoraram dois dias. Na terça-feira (29), o cunhado de Márcio Rogério disse em entrevista à RPC que reconheceu o caminhão da vítima em vídeos da tragédia.