Filho suspeito de matar a mãe em Joinville deu festa após crime, diz polícia

Relação entre os dois era conflituosa, de acordo com depoimento dos familiares. Suspeito está preso.

O jovem suspeito de matar a própria mãe e esconder o corpo em Joinville, em Santa Catarina, recebeu amigos em casa para uma festa de confraternização após cometer o crime, segundo a polícia. Albertina Schmitz Tasca, de 71 anos, foi morta no dia 6. Segundo a polícia, o filho confessou o assassinato.
O corpo da vítima permaneceu na residência onde ela morava com o filho de 20 anos, suspeito do crime, durante quatro dias após ser assassinada. Ele está preso. A justiça converteu a prisão em flagrante dele em preventiva nesta quinta.
Investigação
Segundo o delegado responsável pelo caso, Roberto Patella Junior, o suspeito alegou não ter controlado uma explosão de raiva durante uma discussão com a mãe entre a noite de sexta (1º) para o sábado (2).
"No momento em que ela virou de costas, o filho deu um mata-leão nela", disse o delegado.Logo após, o suspeito teria colocado um lençol sobre a mulher e trancado a porta do quarto dela.
Conforme o depoimento de familiares da vítima, era comum ela trancar o cômodo sempre que saía de casa e até mesmo quando estava dentro da residência.
"Ela tinha medo dele [filho]", explicou o delegado. A mulher era divorciada e morava apenas com o filho. Além disso, segundo Patella Junior, os dois tinham uma convivência conflituosa e com muitas discussões.
Durante os quatro dias em que o corpo da vítima permaneceu no local, o jovem manteve uma rotina normal na casa, segundo imagens de câmeras de segurança de casas vizinhas analisadas pela investigação.
A polícia ainda disse que o suspeito levou cerca de cinco amigos para beber na residência no domingo. De acordo com o delegado, os amigos não sabiam que a mulher estava morta.
Suspeita de familiares
Por ter uma vida ativa em redes sociais e manter a comunicação frequente, familiares de Albertina desconfiaram do sumiço durante a semana.
Segundo o delegado, a filha mais velha chegou a perguntar ao irmão sobre o paradeiro da mãe, mas o jovem disse que não sabia.
Por volta das 11h de quarta (6), desconfiados, a filha e o marido resolveram voltar a casa. Eles chamaram um chaveiro para destrancar a porta do quarto e encontraram Albertina morta no banheiro do cômodo.
O jovem foi indiciado por feminicídio, com os agravantes de ter cometido o crime por motivo fútil e pelo fato da vítima ser idosa.
O suspeito também responderá por furto qualificado, porque vendeu dois aparelhos de TV da casa depois do crime. Ele está no Presídio Regional de Joinville.

Receba notícias da GazetaWeb no seu WhatsApp e fique por dentro de tudo! Basta acessar a nossa comunidade:

https://4et.us/rvw00p