Imagem
Menu lateral
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > BRASIL

Amigo tentou salvar jovem levada por onda durante selfie: 'Tive que deixá-la'

"Se soubesse o quão perigoso era o local não tinha ido até lá", diz jovem

Um dos amigos que acompanhavam a jovem que morreu afogada durante um passeio em Santos, no litoral de São Paulo, conversou com o G1 sobre os últimos momentos de Franciene Pellegrini de Oliveira, de 13 anos. A jovem morreu após cair de pedras da Ilha Urubuqueçaba enquanto tirava selfies com os amigos.

Segundo o relato de Gabriel Kaeriyama, de 20 anos, eles se conheceram em uma festa, na noite de sábado (9), e decidiram ir até a ilha para tirar fotos. "Ela é prima de uma amiga minha. Conheci ela na festa e, de lá, fomos para a praia, na manhã de domingo (10). Chegando lá, eu e a prima da Franciene fomos até a trilha da Ilha. Pouco depois, quando estávamos voltando, encontramos a Franciene e uma outra amiga e decidimos voltar e ficar mais um pouco", explica.

Leia também

Após voltarem à ilha, uma onda forte derrubou Franciene e uma das colegas, que conseguiu rapidamente se salvar.

"Quando vi, ela [Franciene] já estava muito longe, mesmo assim tentei resgatá-la. Nadei e consegui chegar até ela. Quando estávamos perto, a correnteza nos jogou contra as pedras, várias vezes. Eu estava muito machucado, e não conseguia segurá-la. Achei que ia morrer junto, foi nesse momento que tive que deixá-la", lamenta o jovem.

Gabriel então voltou à ilha e, com diversas escoriações, foi salvo por um casal que também visitava o local. "Eles me salvaram. Eu não tinha condições de ir sozinho, e por acaso encontrei esse casal que passeava por lá", afirma.

Sobre um possível ato de imprudência, o rapaz conta que era a primeira vez que visita a ilha e que não tinha noção do perigo do local. "Não sou maluco, se soubesse o quão perigoso era o local não tinha ido até lá. Ainda é difícil acreditar no que aconteceu. Por momentos achei até que iria morrer", desabafa.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na App Store

Tags

Relacionadas