Imagem
Menu lateral
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > AFUNDAMENTO DO SOLO

Órgãos pedem bloqueio de R$ 1 bilhão da Braskem para vítimas

MPF, DPU e MPE buscam fazer com que a mineradora cumpra decisão liminar judicial que determina o pagamento de indenização aos moradores do Bom Parto, Chã de Bebedouro, Pinheiro e Farol

Após a Braskem se recusar a pagar indenização às famílias que vivem nas novas áreas incluídas no mapa de risco, a Defensoria Pública da União (DPU), o Ministério Público Federal (MPF) e o Ministério Público Estadual (MPE) acionaram a Justiça para aplicar "medidas coercitivas" contra a mineradora, a exemplo do bloqueio de bens da empresa no valor de R$ 1 bilhão.

Os órgãos buscam fazer com que a empresa cumpra decisão liminar judicial que determina o pagamento de indenização aos moradores de novas áreas afetadas pelo afundamento do solo.

Leia também

Os imóveis em questão ficam em parte do Bom Parto, da Rua Marquês de Abrantes e da Vila Saem, além de imóveis no bairro do Farol. Essas localidades estão em monitoramento e a realocação é opcional.

Ontem, a DPU disse que iria acionar a Justiça para "medidas coercitivas, [como] aplicação de multas, bloqueio de bens para forçar a Braskem a cumprir uma decisão judicial liminar, determinando, ou o ingresso dessas famílias do mapa versão cinco no programa de compensação financeira, ou caso as pessoas queiram continuar a morar naquela região - que é possível, porque é um risco monitorado - que elas sejam indenizadas pelo rebaixamento da qualidade de vida por estar morando em área de risco e também pela desvalorização do imóvel", afirmou o defensor público da União Diego Alves.

Durante audiência de conciliação na Justiça Federal em Alagoas, realizada nessa terça-feira (12), a Braskem declarou que pretende recorrer da decisão que determinou a indenização às famílias dos bairros do Bom Parte e Farol, que foram incluídas nas novas áreas do mapa de risco.

A Braskem, em nota à TV Gazeta, informou que segue dialogando com as autoridades e que desenvolve ações com foco na segurança das pessoas e na implementação de medidas para compensar e reparar os impactos da desocupação dos imóveis afetados. Disse ainda que, em relação à atualização dos mapas de ações prioritárias, a empresa alegou que a região ocupada nos bairros é monitorada e que não existem estudos técnicos que indiquem a necessidade de novas desocupações.

*Com informações de assessorias e da TV Gazeta

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na App Store

Relacionadas