“Ninguém pode ser retirado ou expulso do serviço público por participar de um ato democrático”, defende Cabo Bebeto

Parlamentar publicou em seu perfil no Instagram um chamamento aos militares que desejam participar dos atos públicos que acontecerão em diversas cidades de Alagoas e do Brasil

Após uma matéria onde supostamente Renan Filho teria dito que perseguiria e até expulsaria os policiais que participarem dos atos do 7 de Setembro, o deputado estadual Cabo Bebeto (PTC) defendeu que não existe nenhum pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro incitando qualquer tropa, qualquer efetivo policial a participar da manifestação, assim como não existe nenhuma possibilidade legal para a exclusão ou expulsão sumária de qualquer funcionário público da área de segurança que queira participar de um evento como esse.

O parlamentar publicou em seu perfil no Instagram um chamamento aos militares que desejam participar dos atos públicos que acontecerão em diversas cidades de Alagoas e do Brasil.

Cabo Bebeto acrescentou que sua colocação se refere àqueles que participem de forma ordeira e respeitosa. “Ninguém pode ser retirado ou expulso do serviço público por participar de um ato democrático, mesmo sendo político”, afirmou o deputado.

Cabo Bebeto disse ainda que “não custa nada lembrar que essa época de rei já passou, não existe mais aqui no Brasil e não existe em Alagoas”, e assegurou que não vai aceitar que a tropa seja pressionada.

Os policiais que queiram participar de forma democrática não serão excluídos, falou o deputado e colocou que prestará assistência jurídica a todos aqueles que participarem de forma ordeira e sejam, de alguma forma, prejudicados.

“O estado de Alagoas não tem dono, a gente não tem rei e eu nunca mais vou admitir que qualquer cidadão que participe de qualquer ato, de forma respeitosa e ordeira venha ser perseguido, isso independente da opinião dele”, comunicou o deputado.

Cabo Bebeto encerrou sua fala aproveitando que o governador “lembrou” da tropa e pediu que envie, o quanto antes, para a Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE) o Projeto de Lei que trata do Código de Ética dos militares, pois “a falta dele acaba dando margem para esse tipo de interpretação, esse tipo de assédio” destacou.

“Governador, gostando ou não a maioria dos policiais são sim bolsonaristas e aquele que queira participar será muito bem-vindo ao evento. Você que não tem autoridade legal nenhuma para assediá-los, ameaçá-los ou impedi-los de participar. Dia 7 de setembro vai ser gigante”, concluiu Cabo Bebeto.