JHC diz ser contrário a possível retrocesso no plano de distanciamento social

Prefeito eleito defende sistema de Saúde fortalecido e obediência aos protocolos

O prefeito eleito de Maceió, JHC (PSB), disse ser contrário a um possível retrocesso no plano de distanciamento social controlado, como já aconteceu em São Paulo, em caso de descontrole da pandemia de coronavírus.
Em entrevista ao programa Ministério do Povo, da Rádio 98 FM Gazeta, na manhã desta terça-feira (1º), ele defendeu o fortalecimento do sistema de Saúde e a obediência aos protocolos sanitários estabelecidos.
João Henrique Caldas avalia que o momento é de cautela, mas não de inflexão das medidas já adotadas. "Não penso que seja necessário fechar tudo agora. Quando a pandemia iniciou, fomos todos pegos de surpresa. Agora, não se pode exagerar. Os protocolos existem e o sistema de Saúde deve estar fortalecido", comentou.
Ele reafirmou que, ao longo da quarentena, destinou, como deputado federal, R$ 15 milhões para o combate ao vírus em todo o Estado. O recurso serviu, segundo o futuro gestor, para aparelhamento das unidades de saúde, unidades sentinela, compra de respiradores e de insumos utilizados pelos profissionais.
Questionado sobre a relação da Prefeitura com o Governo do Estado nas ações voltadas à pandemia, JHC afirmou que, a princípio, as medidas devem estar alinhadas para facilitar o combate. "O que não pode é a prefeitura ficar a reboque do que está sendo decidido. Maceió tem um prefeito e este precisa, também, discutir os procedimentos a serem adotados, sempre observando a opinião do corpo técnico".
Ainda durante a entrevista, o prefeito eleito prometeu anunciar, até a semana que vem, os nomes que comporão o futuro secretariado. Nomes estão sendo avaliados e, provavelmente, os que estão na equipe de transição serão efetivados no comando das pastas.
E, por falar em transição, JHC disse que ainda não teve contato presencial com o atual prefeito, Rui Palmeira (sem partido), e adiantou que os trabalhos de compartilhamento da gestão serão feitos, provavelmente, na Associação Comercial. 
Ele pediu a compreensão da população para as mudanças que pretende implantar no Município, prometeu uma administração mais próxima do povo e brigar pela regularização de atividades até então consideradas clandestinas, como ambulantes e transportes de passageiros.