Deputado critica 'cheque em branco' pra uso de dinheiro da privatização da Casal

Davi Maia apresentou emenda para que valor fosse gasto apenas com saneamento, mas ela foi rejeitada

Uma emenda apresentada pelo deputado estadual Davi Maia ao Conselho Gestor da Região Metropolitana, que defendia que a quantia de R$ 2 bilhões, paga como outorga pela concessão dos serviços da Casal à empresa BRK [vencedora do leilão], fosse gasta apenas com saneamento básico, foi rejeitada durante assembleia nessa sexta-feira (6). 
O órgão responsável pela gestão da Região Metropolitana de Maceió se reuniu para definir a aplicação do valor, ocasião em que Davi Maia, representante da Assembleia Legislativa, apresentou a emenda. Com a decisão, o Comitê modificou uma resolução que já havia sido aprovada, que dizia que o valor total seria gasto apenas com saneamento. Deixando, assim, o Governo livre para gastar em qualquer área, mesmo que não tenha relação alguma com saneamento.
"Fiquei triste com o que aconteceu. Na minha luta pelo saneamento básico, defendo que o valor de R$ 2 bilhões seja usado para o setor. Especialmente no Sertão alagoano. Mas, na prática, a Assembleia Metropolitana deu um cheque em branco para o governador gastar como e onde quiser. Mas continuarei lutando e fiscalizando essa questão. Afinal, falar em saneamento é falar em saúde e qualidade de vida", explicou Davi Maia.
Conselho Gestor da Região Metropolitana
O Conselho Gestor da Região Metropolitana existe para acompanhar e gerenciar os assuntos relacionados à região, como o contrato com a BRK, que a partir do próximo ano passa a comandar os serviços de água e esgoto nos municípios.
O órgão é formado por quatro secretários do Governo de Alagoas, prefeitos dos municípios envolvidos, dois deputados da Assembleia Legislativa do Estado e pela sociedade civil.