Imagem
Menu lateral
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > POLÍTICA

CPI da Braskem marca primeiras oitivas para a próxima semana

Estão previstos depoimentos de Natallya Levino, José Geraldo Marques e Abel Galindo na terça-feira

As primeiras oitivas na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Braskem vão acontecer na próxima semana. O presidente do colegiado, senador Omar Aziz (PSD-AM), já expediu ofício convocando cinco pessoas - todas elas especialistas na área geológica - para prestarem depoimento na qualidade de testemunhas.

Na terça-feira (5 de março), a partir das 9h, estão previstos três interrogatórios: da professora-doutora da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) Natallya de Almeida Levino; do ex-presidente do Instituto do Meio Ambiente (IMA) e pós-doutor em meio ambiente José Geraldo Marques e do professor aposentado da Ufal Abel Galindo Marques.

Leia também

Para a quarta-feira (6), também às 9h, foram marcadas as oitivas do diretor-geral da Agência Nacional de Mineração (ANM), Mauro Henrique Moreira Sousa; e do servidor aposentado da Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM) Thales Sampaio.

Natallya Levino foi convocada com a finalidade de expor acerca da extração irregular de sal-gema no município de Maceió. Ela é coordenadora de pesquisa sobre as dimensões econômica, social e ambiental da subsidência que atinge os cinco bairros da capital.

Geraldo Marques é doutor e ativista em ecologia, vítima da evacuação das localidades atingidos pela mineração,e foi chamado para expor o que sabe sobre o problema. A CPI foi informada que ele teria sofrido pressões e ameaças para a instalação da Sal-gema, e enfrentado muitas reações por criticar a decisão do governo da época pela implantação da indústria.

Já Abel Galindo Marques é engenheiro civil, geotécnico e ex-professor da Ufal. Ele foi convocado para falar sobre a lavra de sal-gema no subsolo de Maceió e região adjacente. Abel Galindo foi um dos primeiros profissionais a alertar sobre possibilidade de desabamento do teto de uma das minas escavadas pela Braskem para lavra de sal-gema em Maceió. O especialista também é coautor do livro ‘Rasgando a Cortina de Silêncios, o lado B da exploração de sal-gema em Maceió’.

As oitivas foram sugeridas pelo relator da CPI, senador Rogério Carvalho (PT-SE), e pelos senadores Rodrigo Cunha (Podemos-AL) e Otto Alencar (PSDBA). Ainda devem ser marcados os depoimentos do presidente da Braskem, Roberto Bischoff; Marcelo Arantes, diretor de comunicação da Braskem; e de Wolnei Wolff Barreiros, chefe da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil do Ministério da Integração e do Desenvolvimento Regional, cujos requerimentos de convocação já foram aprovados.

Outros ofícios com pedidos de informações para diversos órgãos também foram expedidos pela CPI da Braskem. O colegiado deu prazo de cinco dias para que os requerimentos sejam atendidos.

O relator da CPI [Comissão Parlamentar de Inquérito] da Braskem, senador Rogério Carvalho (PT-SE), apresentou o plano de trabalho na reunião do colegiado, na última terça-feira (27).

Pelo cronograma, a primeira etapa dos trabalhos da CPI da Braskem vai se ater à análise do histórico da atividade mínero-industrial, envolvendo a pesquisa e lavra de sal-gema na região sob investigação.

Posteriormente, o grupo pretende investigar as causas, fazer o dimensionamento dos passivos, responsabilização e reparação justa.

Por fim, será providenciada a avaliação das lacunas e falhas na atuação dos órgãos de fiscalização e controle, assim como a proposição de melhorias no arcabouço legal e regulatório.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na App Store

Relacionadas