Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > POLÍTICA

Após RS, DF também reduz ICMS no combustível: em Alagoas, alíquota é de 29%

Com o preço médio do litro a R$ 6,082 no estado, R$ 1,76 é somente referente ao imposto estadual

Depois do Rio Grande do Sul, o Distrito Federal (DF) também aprovou uma redução no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) cobrado sobre combustíveis (ICMS). Já em Alagoas, a alíquota continua em 29%, uma das mais altas do Brasil.

No caso do DF, a Câmara Legislativa aprovou em segundo turno, na última quarta-feira (15), a redução da alíquota. A proposta é reduzir três pontos percentuais em três anos, contando a partir de 2022. Ou seja, o valor da alíquota nos casos da gasolina e do etanol terá retração de 28% para 25%. No caso do diesel, haverá queda de 15% para 12%.

Leia também

Em Alagoas, a alíquota de ICMS que incide no preço da gasolina é de 29%, uma das mais altas do Brasil. Com o preço médio do litro a R$ 6,082 em Alagoas, R$ 1,76 é somente referente ao imposto estadual.

A redução no DF significa, na prática, recuo de cerca de 10% no preço final pago pelo consumidor no caso da gasolina e do álcool; e de 20% para o diesel daqui a três anos. Como se trata de medida com reflexo no orçamento, as mudanças vão entrar em vigor no próximo ano.

Assim, a partir de 1º de janeiro de 2022, a alíquota do ICMS no DF será de 27% para gasolina comum e etanol, e de 14% para óleo diesel. Em 1º de janeiro de 2023, também com redução de 1%, as alíquotas serão de 26% para gasolina e álcool, e de 13% para óleo diesel. E, em 2024, cairão para 25% para gasolina e álcool, e para 12% no caso do diesel.

No caso do Rio Grande do Sul, o governador Eduardo Leite (PSDB), anunciou, na última terça-feira (14), a redução da alíquota de 30% para 25% a partir de 2022. De acordo com o governo gaúcho, a redução de ICMS ocorre justamente em um momento em que o preço de itens, como energia e combustíveis, tem crescido muito acima do índice médio de inflação. De janeiro a agosto de 2021, a gasolina teve variação de 31% no Brasil. Já o diesel apresentou variação de 28%.

De acordo com o professor de economia da Universidade de Brasília (UnB), Carlos Abertos Ramos, o motorista brasiliense irá pagar menos ICMS, mas não é possível afirmar qual a redução, em centavos, uma vez que o valor do combustível nas bombas depende de vários outros fatores.

“Que o consumidor vai pagar menos, vai. Mas quanto vai pagar menos dependerá do preço do petróleo, do preço da Petrobras. O ICMS é só um dos impostos que incidem sobre o preço do combustível. Com certeza o consumidor vai pagar menos, o que vai depender é o preço do petróleo, a política de preços da Petrobras”, explicou o economista.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas