Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > POLÍTICA

Advogada alagoana põe em xeque acusação da vítima e defende Daniel Alves

Advogada garante que as provas deixam claro a inocência do jogador; de acordo com ela, a vítima teria entrado em contradição

Enquanto o mundo aguarda com ansiedade o julgamento do jogador de futebol Daniel Alves pela justiça espanhola, a advogada criminalista alagoana Graciele Queiroz (OAB/AL 16854) garante: “as provas deixam claro a inocência do jogador”. Alves está preso desde o dia 20 de janeiro deste ano. Nas redes sociais, a opinião da advogada, que se apresenta como especialista em falsas acusações de violência sexual, dividiu opiniões.

Graciele explicou que Daniel Alves é acusado de ter estuprado uma mulher dentro de uma boate, sendo que “a suposta vítima estava inserida no mesmo rol de amigos que estavam o jogador, ou seja, além de Daniel existiam três outras pessoas”.

A advogada pontua que, após a ida ao banheiro, que ela conta ter durado 42 segundos, a mulher que denuncia Alves permaneceu junto com esse rol de pessoas por quase duas horas e 45 minutos. “E ninguém viu ou observou qualquer comportamento anormal da vítima, que permaneceu dançando após o retorno do banheiro, na área Vip, sendo tudo isso registrado pelas câmeras de segurança”, frisou.

Queiroz continua pontuando que a primeira declaração da vítima se dá após o jogador sair da boate. A advogada destacou que a vítima teria entrado em contradição, pois primeiro teria dito que foi penetrada por um famoso e, após a chegada da polícia, que o jogador abusou de forma superficial.

Artigos Relacionados

Graciele Queiroz disse ainda que, “logo em seguida, tem-se a informação de que não há prova de abuso no laudo pericial”. Para a advogada, a sociedade fecha os olhos para essa prova, preferindo um julgamento antecipado, o que impacta, de acordo com ela, sobremaneira a revogação da prisão.

“A verdade é que, em 47 segundos dentro do banheiro, é humanamente impossível urinar, ejacular e agredir alguém. Necessário observar que o local era movimentado, e nunca foi explorado o tempo que os fatos ocorreram, em um banheiro possível de ser ouvido qualquer grito de socorro. Essas contradições nunca foram exploradas, e se aceita uma versão unilateral como se fosse verdade absoluta, e enquanto isso, o jogador, acusado apenas, continua preso”, avaliou a advogada.

Para Graciele, existe uma história mal contada por trás de tudo o que está acontecendo. “A quem interessa a prisão do jogador?”, questionou. Ela disse ainda que o não aparecimento da vítima não quer dizer que ela está falando a verdade. “Até porque sabemos que, no fim desse processo, existem indenizações altíssimas. É preciso investigar e dar a imparcialidade que o caso merece."

“Não se pode acabar com a história de um jogador vencedor, com 47 títulos, em um julgamento antecipado e midiático, com uma narrativa tática tão frágil, enquanto isso um inocente segue atrás das grades”, concluiu.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas