Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
X
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

Policial civil acusada de matar marido PM e forjar suicídio vai a júri

A agente é acusada de matar o marido com três tiros em 24 de fevereiro de 2016


				
					Policial civil acusada de matar marido PM e forjar suicídio vai a júri
Sargento da Polícia Militar do DF (PMDF) Daniel Quezado Amaro. Reprodução/Arquivo pessoal

Acusada de matar o marido a tiros há oito anos, a agente da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) Mirtes Gomes Amaro, 57 anos, deve ir a júri popular nesta quinta-feira (20/6).

A vítima, o sargento da Polícia Militar do DF (PMDF) Daniel Quezado Amaro, 45 (foto em destaque), foi assassinado no Sudoeste, bairro nobre de Brasília, em 24 de fevereiro de 2016.

Leia também

O sargento foi encontrado morto na sala de seu apartamento pelas primeiras equipes de socorro que chegaram ao local.

Suicídio forjado

Durante as investigações, conduzidas pela 3ª Delegacia de Polícia (Cruzeiro) e, posteriormente, pela Corregedoria da PCDF, Mirtes sustentava que o marido havia cometido suicídio na frente dela.

A hipótese, porém, foi prontamente rechaçada pelos investigadores, que afirmaram ser praticamente impossível alguém tirar a própria vida com três disparos.

“A farsa montada por Mirtes será aniquilada pelo conselho de sentença. A morte de Quezado não será em vão. A justiça tarda, mas nunca falha”, afirmou o assistente de acusação e advogado da família da vítima, Luciano Macedo Martin.

As investigações confirmaram que o casal viveu uma relação conturbada ao longo de 27 anos, fato comprovado por parentes do militar durante depoimentos. Ela foi indiciada por homicídio qualificado, mas responde ao processo em liberdade.

“A gente espera a condenação, afinal de contas foi um assassinato. O coitado do meu irmão nem teve condições de se defender”, disse o irmão da vítima, o analista de sistemas Ricardo Quezado, de 62 anos.

A reportagem tentou contato com o advogado de Mirtes. O espaço segue aberto.

Veja a matéria completa em: Metrópoles

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas

X