Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
X
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

Trabalhava desde os 14, de segunda a sábado: quem era barbeiro morto a tiros

A mãe disse que o adolescente era educado, trabalhador e amoroso com a família


				
					Trabalhava desde os 14, de segunda a sábado: quem era barbeiro morto a tiros
Emerson tinha 17 anos quando foi morto a tiros na sexta-feira (21).. Reprodução

Emerson Vagner tinha apenas 17 anos quando foi assassinado com quatro tiros no bairro onde morava, na Ponta Grossa, parte baixa de Maceió. Ele trabalhava como barbeiro desde os 14 anos e morreu na última sexta-feira (21).

Nas redes sociais, o adolescente costumava divulgar o trabalho dele. Em um dos vídeos compartilhados para os seguidores momentos antes de ser assassinado, ele convida os clientes a aparecer na barbearia, informando que ela seria aberta no domingo, às 7h, e só fecharia quando não houvesse mais ninguém no estabelecimento comercial.

Leia também

A mãe dele, que não quis se identificar, disse à TV Pajuçara, que o filho era trabalhador, estudava e era amoroso com a família.

“Ele era tudo na nossa vida. Menino estudioso, educado, muito amoroso com a família e com todo mundo que conhece ele. Ele não merecia ter morrido dessa forma. Era um menino educado, trabalhador, trabalhava de segunda a sábado, um horário e no outro ele estudava”, disse a mãe.

Uma moradora da rua onde Emerson residia afirma que o adolescente ajudava os pais em casa.

“Não merecia o que fizeram com ele. Maldade. Menino trabalhador, ajudava os pais dentro de casa, não tenho nem palavras, nem o que falar. A mãe evangélica, o pai também trabalhador, a família tudo gente boa, gente honesta", disse a amiga da família, em entrevista à imprensa.

Emerson estava na casa da namorada, quando entraram e levaram o celular e a bicicleta dele. Ele teria perseguido os criminosos e, perto da Praça Santa Teresa, foi baleado com quatro tiros e morreu. Três disparos atingiram a cabeça dele e um no ombro, segundo a polícia.

“Morrer numa situação dessa. Quero Justiça. Quero uma explicação pelo menos para saber o que aconteceu naquela noite”, lamenta a mãe.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas

X