Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
X
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

Professor encontrado morto em casa no Jaraguá teria sido vítima de latrocínio

Polícia vai colher imagens das câmeras de segurança da região, para tentar identificar os autores do crime

A Polícia Civil (PC) já iniciou as investigações da morte do professor e ex-diretor do Museu Theo Brandão, José Acioli Filho, cujo corpo foi encontrado em sua residência no bairro do Jaraguá, em Maceió, nessa quinta-feira (16). A primeira tese é de latrocínio, uma vez que eletrodomésticos da vítima, bem como um veículo, foram levados pelos criminosos.

Além disso, a polícia vai colher imagens das câmeras de segurança da localidade, para tentar identificar os autores do crime.

Leia também

Por sua vez, informações extraoficiais dão conta de que o professor José Acioli Filho, 59 anos, estava acompanhado de um rapaz, provavelmente seu namorado, na casa dele, momentos antes do assassinato.

Uma testemunha, inclusive, que teria jantado com a vítima, informou que, quando foi embora, o suposto namorado permaneceu na casa de José Acioli.

O CRIME

O ex-diretor do Museu Theo Brandão Jose Acioli Filho, de 59 anos, foi encontrado morto na noite dessa quinta-feira (16), em sua residência, no bairro do Jaraguá, parte baixa de Maceió. Equipes do 1° BPM e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foram acionadas para o local e confirmaram a ocorrência.

De acordo com assessoria do Samu, o corpo de Acioli foi encontrado com grande sangramento, já sem sinais vitais e com dois orifícios de entrada na região atrás da orelha esquerda. O óbito foi constatado às 19h28.

Amigos de Acioli contaram à Gazetaweb que, durante todo o dia, haviam tentado contato telefônico com o professor, por diversas vezes, mas não tiveram resposta. Depois, receberam uma mensagem sua pelo WhatsApp dizendo que ele tinha ido a Arapiraca, socorrer um amigo, e que seu telefone iria ficar sem conexão, mas ele avisaria quando retornasse.

Entretanto, o texto estava repleto de erros de português, o que levantou a suspeita de que outra pessoa estaria tentando se passar pelo professor. Por causa disso, familiares de Acioli foram até sua casa e, pela janela, viram o corpo caído no quarto. Arrombaram a porta e constataram que ele havia sido morto.

Professor Acioli, como era conhecido, dirigiu o Museu Theo Brandão até 2018. Ele também lecionava na Universidade Federal de Alagoas (Ufal), pelo Instituto de Ciências Humanas, Comunicação e Arte (ICHCA), e tinha especialização na área de teatro de animação.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas

X