Operação prende organização criminosa que atuava em Maceió e Rio Largo

Bando era liderado por uma mulher, que distribuía drogas para alguns bairros da capital; ao todo, 12 mandados

Uma operação integrada com objetivo de cumprir mandados de prisão e de busca e apreensão contra integrantes de uma organização criminosa foi deflagrada nesta quinta-feira (19), pela Secretaria de Estado da Segurança Pública de Alagoas (SSP/AL), juntamente com as Polícias Civil (PC) e Militar (PM). O grupo praticava tráfico de drogas e outros crimes em bairros de Maceió e em Rio Largo. A liderança cabia a uma mulher, que fazia a distribuição das drogas. 
Ao todo, foram cumpridos 12 mandados, sendo quatro de prisão e oito de busca e apreensão, todos expedidos pela 17ª Vara Criminal da Capital após representação da Divisão Especial de Investigação e Capturas (DEIC). 
O organograma
As investigações realizadas pela DEIC tiveram início em fevereiro deste ano e tinham como objetivo desarticular uma organização criminosa com atuação no tráfico de entorpecentes e outros crimes correlatos na cidade de Maceió. 
Durante os trabalhos investigativos coordenados pelo delegado Gustavo Henrique, diretor da DEIC, ficou constatado que uma mulher é a principal responsável pelo desencadeamento de todas as infrações penais apuradas. Ela é a líder da organização criminosa e distribuía as drogas para alguns bairros da capital, como Pinheiro e Cidade Universitária. Um homem exercia a função de gerente, que, além de realizar os depósitos do dinheiro proveniente do tráfico, ainda vendia os entorpecentes. Outro investigado era quem fazia o transporte das drogas e as vendas. 
Cabia a outro indivíduo, que foi preso em abril deste ano, pegar as drogas com a líder para abastecer o Conjunto Maceió 1, localizado na Cidade Universitária. À época, ele foi preso com cocaína e uma pistola 9 mm.
As investigações constaram, ainda, que a Orcrim é ligada a uma facção criminosa nacionalmente conhecida. Todos os alvos da operação foram presos e encaminhados para a sede da  DEIC, no bairro da Santa Amélia, para a confecção dos procedimentos cabíveis. 
A operação ganhou o nome de Metamorfose pelo fato de ter ocorrido uma mudança no domínio de uma facção para outra no Residencial Maceió I.
O efetivo participante
Para o cumprimento dos mandados, durante a operação integrada, foram empregados policiais militares do Batalhão de Polícia de Guardas (BPGd), 8º Batalhão, Grupamento Aéreo e agentes do Tático Integrado de Grupos de Resgate Especiais (Tigre), Núcleo de Inteligência (NI) e Seções de Capturas e Antisequestro da DEIC.
A população pode contribuir com o trabalho das polícias, realizando denúncias sobre homicídios, tráfico de drogas, roubos, organizações criminosas e outros crimes por meio do Disque Denúncia. As informações podem ser repassadas, de forma anônima e gratuita, por meio de ligações para o 181.