Entidades da Segurança Pública querem continuidade no modelo de gestão

Coronel Lima Júnior foi anunciado hoje como o novo secretário

O anúncio de que o coronel Lima Júnior será o novo secretário de Segurança Pública de Alagoas encheu de expectativas as categorias que vão às ruas combater a criminalidade.
Representantes de entidades ligadas à Polícia Militar e à Polícia Civil esperam que o novo secretário assegure um firme modelo de gestão no combate à criminalidade, sem esquecer do apoio '"necessário aos policiais que estão nas ruas diariamente". 
De acordo com o presidente da Associação dos Praças Militares de Alagoas (Aspra), Wagner Simas, há uma grande expectativa da tropa no sentido de que Lima Júnior tenha uma postura totalmente diferente dos demais oficiais militares que assumiram, ao longo das duas últimas décadas, a chefia da Segurança Pública de Alagoas. Ele lembrou que os militares não têm boas lembranças.
"Nossa preocupação é que haja, por parte do secretário, uma valorização do militar. O secretário Alfredo Gaspar conseguiu fazer um bom trabalho, apoiando a tropa, reconhecendo as conquistas e corrigindo os problemas. O fundamental é que haja uma postura diferente de Lima Jr. diante dos exemplos que já tivemos com os militares que assumiram o comando da pasta", disse Simas. 
De acordo com o presidente da associação dos Oficiais Militares de Alagoas (Assomal), major Wellington Fragoso, o novo gestor tem total condições de realizar um bom trabalho à frente da cúpula da Segurança Pública. Contudo, lembrou o oficial, Lima Junior vai enfrentar uma cobrança da sociedade alagoana para realizar um trabalho operecional como o executado pelo então secretário Alfredo Gaspar.
"Ninguém vai ser igual ao Alfredo, qualquer um que eventualmente assumir a pasta vai assegurar um modelo de gestão diferente. Isso é natural. Acredito que ele pode, sim, fazer um bom trabalho. Diante do quadro que temos hoje, é fundamental lembrar sempre do apoio que o militar precisa ter para ir as ruas", frisou Fragoso.
Para o vice-presidente do Sindicado dos Agentes da Polícia Civil de Alagoas (Sindpol), José Adeilton, o nome do secretário não tem importância se o governador Renan Filho não "assegurar as condições necessárias para o satisfatório trabalho dos agentes da segurança". Um dos primeiros desafios de Lima Junior será enfrentar a expectativa de deflagração de greve dos agentes da Polícia Civil (PC/AL), agendada para a próxima semana. Os agentes cobram condições de trabalho.