Sonda da Nasa colide com asteroide em teste para prevenir impacto com a Terra

A missão de treinamento visava enviar uma sonda para atingir um asteroide e desviar sua órbita

A Nasa concluiu, nesta segunda-feira (26), a missão de treinamento que visava enviar uma sonda para atingir um asteroide e desviar sua órbita. O objetivo é prevenir uma ameaça maior que um dia poderá atingir a Terra. A confirmação da colisão ocorreu por volta das 20h15 e foi muito comemorada pelos cientistas envolvidos na missão.

A Nasa tem reiterado que, embora não existam dados suficientes para afirmar que um asteroide representa um risco real de impacto com a Terra nos próximos 100 anos, a hipótese, mesmo em um futuro distante, não foi totalmente descartada.

A sonda enviada para “deter” o objeto é uma espaçonave especial, a Double Asteroid Redirection Test (Dart), mesmo nome do programa da Nasa de defesa da Terra

O asteroide Dimorphos, com apenas 160 metros de diâmetro, atualmente está a cerca de 11,2 milhões de quilômetros da Terra. Cientistas analisaram que o objeto espacial não representa um perigo para o planeta.

Impacto preciso

Desde julho, a Nasa vem coletando imagens do Dimorphos por meio de um sofisticado telescópio de abertura de 20,8 centímetros e um sensor de imagem especial, acoplado na espaçonave Dart, para captar imagens e enviá-las à agência espacial dos Estados Unidos.

Com a operação, os cientistas esperam simular com mais precisão o impacto da espaçonave no asteroide e realizar eventuais ajustes.

Por que o Dimorphos?

A missão histórica da Nasa tem como alvo um recém-nomeado asteroide, Dimorphos, nome que significa “duas formas”, uma vez que seria o primeiro corpo celeste a ter a forma de sua órbita alterada devido à intervenção humana.

E muitos se perguntam por que ele é a “cobaia” perfeita para experimentar essa técnica de defesa planetária.

O asteroide Dimorphos faz parte de um sistema binário, porque gira em torno de outro asteroide chamado Didymos, que em grego significa gêmeos.

O Dimorphos tem um diâmetro de 160 metros e é menor que Didymos, que tem um diâmetro de 780 metros.

A ideia de lançar o Dart nesta data é que, nessa época, o sistema Didymos estará mais perto da Terra, a cerca de 11 milhões de quilômetros, o que permitirá melhores observações.

Por esta razão, o Dimorphos será o alvo perfeito para avaliar a eficácia de uma nave como o Dart no desvio de um objeto celeste.