Putin se encontrará com mães de soldados que lutam na Ucrânia

Visita ocorre na véspera do Dia da Mães na Rússia e dias depois de um ataque russo ter matado um recém-nascido no hospital

O presidente Vladimir Putin se reunirá na sexta-feira (25) com as mães dos soldados que lutam na Ucrânia, disse o Kremlin, no momento em que o conflito mais mortífero na Europa desde a Segunda Guerra Mundial entra em seu décimo mês.

A guerra na Ucrânia matou e feriu dezenas de milhares de soldados de ambos os lados, segundo os Estados Unidos, e a invasão russa desencadeou o maior confronto entre Moscou e o Ocidente desde a crise dos mísseis cubanos de 1962.

Centenas de milhares de soldados russos foram enviados para lutar na Ucrânia – incluindo alguns dos mais de 300.000 reservistas que foram convocados como parte de uma mobilização anunciada por Putin em setembro.

“Na véspera do Dia das Mães, que é comemorado na Rússia no último domingo de novembro, Vladimir Putin se reunirá com as mães dos militares que participam da operação militar especial”, disse o Kremlin em comunicado.

O Kremlin disse que Putin se reunirá com mães de reservistas convocados para lutar, bem como soldados profissionais das forças armadas.

Putin disse que não se arrepende de lançar o que chama de “operação militar especial” da Rússia contra a Ucrânia e classifica a guerra como um divisor de águas quando a Rússia finalmente enfrentou uma arrogante hegemonia ocidental após décadas de humilhação nos anos desde a queda de 1991 de a União Soviética.

A Ucrânia e o Ocidente dizem que Putin não tem justificativa para o que classificam como uma guerra de ocupação de estilo imperial. A Ucrânia diz que vai lutar até que o último soldado russo seja expulso de seu território.

A Ucrânia não divulga suas perdas. A última vez que a Rússia divulgou publicamente suas perdas foi em 21 de setembro, quando o ministro da Defesa, Sergei Shoigu, disse que 5.937 soldados russos foram mortos . Mas esse número está muito abaixo da maioria das estimativas internacionais.

O general mais graduado dos Estados Unidos estimou em 9 de novembro que a Rússia e a Ucrânia viram, cada uma, mais de 100.000 de seus soldados mortos ou feridos.