Mutação europeia do coronavírus pode ser até 6 vezes mais infectante

No entanto ela não aumenta a severidade da doença.

Um estudo publicado na revista acadêmica Cell aponta que uma variedade do coronavírus concentrada inicialmente na Europa sofreu uma mutação e tornou-se a forma mais prevalente do vírus na pandemia global.
 
Segundo a publicação, a variante chamada G614 pode apresentar uma vantagem em relação à inicial, o que permite que ela seja até seis vezes mais capaz de infectar, mas não aumenta a severidade da doença.
O estudo foi elaborado por vários pesquisadores, de diferentes institutos, liderados por Bette Korber, do Laboratório Nacional Los Alamos, com o título "Tracking changes in SARS-CoV-2 Spike: evidence that D614G increases infectivity of the COVID-19 virus".