Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > MUNDO

Juiz suspende execução da 1ª mulher condenada à morte pelo governo dos EUA

Lisa Montgomery foi condenada por matar uma mulher grávida e roubar seu bebê

Um juiz do estado de Indiana, nos Estados Unidos, suspendeu nesta terça-feira (12) a execução de Lisa Montgomery, a primeira mulher a ser condenada à morte pelo governo federal em quase 70 anos.

Ela foi condenada por matar, remover e roubar o bebê de uma mulher grávida no Missouri. A defesa de Montgomery alega que a assassina sofre de distúrbios mentais.

Leia também

O juiz James Patrick ordenou que uma nova avaliação psicológica fosse feita antes de poder autorizar a execução. Promotores tentam reverter a decisão.

A última execução de uma prisioneira mulher - a nível federal - nos EUA foi em 1953, segundo o Centro de Informações sobre Pena de Morte.

Nos EUA existem leis federais e estaduais prevendo a pena de morte. Há ao menos 30 normas diferentes para a pena capital no país.

São 28 leis estaduais - uma para cada estado que autoriza esse tipo de pena

Uma segundo a qual o governo federal tem o poder de intervir e executar prisioneiros em qualquer um dos 50 estados

E uma do tribunal militar que pode sentenciar e executar seus condenados

As punições federais são acompanhadas pelo procurador-geral do país, com a indicação do presidente dos Estados Unidos.

Apenas no ano passado, o governo de Donald Trump - que tem como plataforma a manutenção da lei e da ordem - executou seis prisioneiros.

A chegada de Joe Biden, contrário à pena capital, à Casa Branca pode adiar em definitivo a execução da mulher. O democrata prometeu trabalhar com o Congresso para abolir a pena de morte.

Quem é Lisa Montgomery?

Em dezembro de 2004, Montgomery dirigiu do Estado do Kansas até a casa de Bobbie Jo Stinnett, no Missouri, supostamente para comprar um cachorro.

"Uma vez dentro da residência, Montgomery atacou e estrangulou Stinnett, que estava grávida de oito meses, até que a vítima perdeu a consciência", de acordo com um comunicado do Departamento de Justiça.

Montgomery então removeu o bebê do corpo de Stinnett e o sequestrou ela foi presa em sua casa no dia seguinte - a polícia encontrou mensagens trocadas com a vítima. O bebê, de um dia de idade, foi entregue ao pai.

Em 2007, o tribunal do júri a considerou culpada de sequestro e assassinato e recomendou, por unanimidade, a pena de morte.

Os advogados de Montgomery defendem que ela tem distúrbios mentais por conta de espancamentos e abusos sofridos na infância.

Pena de morte nos EUA

São condenados à morte nos EUA aqueles que mataram, mas cada um dos estados tem seus próprios critérios. Geralmente estão vinculados a assassinatos violentos, de crianças ou de policiais. Atos terroristas que resultam em morte também podem ser condenados à pena máxima.

Caso o governo federal entenda que o estado não aplicou a pena correta, ele pode se sobrepor a esta decisão tanto em estados onde a pena de morte está prevista como em estados onde não há esta punição.

Foi o caso de Dzhokhar Tsarnaev, um dos condenados pelo atentado de Boston em 2013. Ainda que o estado de Massachusetts não autorize a pena de morte, ele foi condenado em nível federal, mas a decisão foi retirada após a aprovação de um recurso.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Tags

Relacionadas