Éder Jofre entra para Hall da Fama do boxe em cerimônia nos Estados Unidos

Ex-boxeador e pioneiro brasileiro, aos 85 anos, recebe homenagem ao lado dos filhos Marcel e Andrea

O tricampeão mundial dos pesos pena e galo Éder Jofre, primeiro brasileiro a deter um cinturão de relevo mundial no boxe, entrou neste domingo para o Hall da Fama da Costa Oeste dos EUA. O ex-boxeador, acompanhado dos filhos Marcel e Andrea, foi um dos homenageados na solenidade, que ocorreu em um hotel em Los Angeles ao lado da Calçada da Fama e do cinema que abriga o Oscar.

Éder, de 85 anos, já fazia parte de um outro Hall da Fama relevante nos Estados Unidos, no estado de Nova York, desde 1992. Ele é o único brasileiro a figurar nos dois lugares "sagrados".

A família Jofre viajou para Los Angeles na quarta-feira, depois de esperar um ano pela solenidade. A entrada dele para o Hall da Fama da Costa Oeste estava, inicialmente, marcada para acontecer em 2020, mas a pandemia do novo coronavírus fez com que os organizadores remarcassem o evento.

Debilitado fisicamente e acometido pela encefalopatia traumática crônica (doença neurológica provocada por impacto na cabeça), Éder quis fazer a viagem aos EUA. Os filhos, então, consultaram o médico que o acompanha e acharam que valia a pena.

- É um motivo de orgulho para toda a família e um reconhecimento para o meu pai, já nessa idade avançada. Ele gosta de ter contato com as pessoas do boxe e ser reverenciado, aí topamos vir - afirmou Marcel Jofre, filho mais velho do ex-boxeador.

Além de Éder, outros nomes importantes da história do boxe foram imortalizados na cerimônia, como Oscar De La Hoya e o japonês Fighting Harada - esse, por sinal, rival de Éder nos anos 1960.