Imagem
Menu lateral
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > MACEIÓ

Solvente, pesticida e fertilizantes causaram morte de peixes na Lagoa Mundaú, revela Ufal

Experimentos também descobriram altos índices de metais pesados na água, a exemplo do mercúrio e manganês

A análise minuciosa da água da Lagoa Mundaú, feita pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL), revelou nível alto de contaminação por solventes, pesticidas e fertilizantes. A junção destas substâncias foi a causa da mortandade de pescados, registrada na semana passada e que deixou a população preocupada.

De acordo com o professor e pesquisador Emerson Soares, foram encontradas, nas amostras, furacetamida, que é um pesticida altamente volátil, inodoro e que mata muito rápido os organismos. Também foram percebidos o solvente tolueno e grande volume de nitrogênio, fósforo e potássio, presentes em fertilizantes e agroquímicos. Não se sabe como estas substâncias foram parar na lagoa.

Além desta conclusão, os experimentos descobriram altos índices de metais pesados na água, a exemplo do mercúrio e manganês, alterando o pH [que indica se uma solução é ácida, neutra ou básica].


				
					Solvente, pesticida e fertilizantes causaram morte de peixes na Lagoa Mundaú, revela Ufal
Morador da região diz que população já vive drama do afundamento do solo e que contaminação afetaria renda. Cortesia

Artigos Relacionados

O pesquisador informou que a presença destes produtos na água não é somente prejudicial à fauna lagunar. O ser humano também pode ser afetado se tiver contato com alguns destes materiais, inclusive proibidos de comercialização pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

“De maneira alguma, a população pode consumir os peixes que foram encontrados mortos. Estas substâncias causam risco à vida do ser humano, podem afetar diretamente o fígado e o sistema nervoso, podendo, inclusive, levar à morte. Estamos diante de um problema grave de saúde pública e de danos severos ao meio ambiente”, destacou Emerson Soares.

O relatório com a conclusão das análises, feitas em três laboratórios diferentes, foi encaminhado ao Ministério Público Federal (MPF), órgão que abriu investigação para apurar a causa da mortandade dos peixes.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na App Store

Relacionadas