Imagem
Menu lateral
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > MACEIÓ

Pacientes dormem em frente ao HU à espera de uma ficha

Usuários do SUS improvisam acampamento para garantir uma vaga no hospital

Vários pacientes e familiares da capital e do interior do estado têm passado a noite na porta da recepção do Hospital Universitário (HU), em Maceió, para tentar conseguir uma ficha para realização de exames. Segundo eles, a espera se dá por conta da redução do número de atendimento e da entrega de senhas pelo hospital. Além da noite desconfortável, as pessoas que dependem do Sistema Único de Saúde (SUS) também precisam enfrentar a medo e a insegurança ao dormir ao relento. E o pior: muitas delas não conseguem a vaga para atendimento tão esperada.

Segundo José Cícero, que saiu da cidade de São José da Laje para pegar uma ficha no HU para a filha que sofre de epilepsia, dormir na porta do hospital para garantir uma ficha já virou rotina. "Vim de longe e viajei vários quilômetros para garantir a vaga pra minha filha fazer um exame. Já passei a noite aqui outras vezes e essa será mais uma", conta.

Leia também

Até as pessoas doentes, que estão buscando atendimento, são obrigadas a passar a noite na "fila" do hospital, como é o caso de Graciane Inácio. "Infelizmente aqui em Alagoas só tenho meu filho. Minha família é de fora. Tenho epilepsia e já sofri crise em vários lugares e, mesmo assim, sou obrigada a vir e dormir no chão à espera de uma vaga para fazer o meu exame", desabafa.


				
					Pacientes dormem em frente ao HU à espera de uma ficha
FOTO: Pedro Ferro

De acordo com familiares de pacientes, na noite da última quarta-feira (7), um homem tentou invadir o local e a polícia teve que ser acionada. "Ele tentou arrombar o portão, mesmo com várias pessoas aqui, ele não se intimidou. A polícia passou e levou o rapaz. Ficamos apreensivos, pois é raro uma viatura passar por aqui", relata um dos familiares.

"Além disso tudo que nós passamos, alguns atendentes, quando acabam as fichas, ficam debochando de nós. Isso é revoltante, não basta o sofrimento, também passamos por humilhações", desabafa um paciente que preferiu não ser identificado.

Por meio de nota, a superintendência do HU informou que, os pacientes, para serem atendidos, dependem do encaminhamento das secretarias e respectivas unidades básica de saúde. Além de atender as pessoas que são encaminhadas pelo sistema, cerca de 30% dos atendimentos no hospital são demandados por usuários cadastrados e que fazem acompanhamento de suas doenças em várias especialidades, além de exames e procedimentos terapêuticos.

A nova gestão declarou que está ciente dos desafios enfrentados pelos pacientes e familiares e que tem a proposta de melhorar o processo e ampliar o atendimento na unidade de saúde.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na App Store

Tags

Relacionadas