Membros da Adefal protestam contra suspensão de pleito eleitoral

Portadores de necessidades especiais ameaçaram fechar a Fernandes Lima, mas seguiram para o Tribunal de Justiça

Integrantes da Associação dos Deficientes Físicos de Alagoas (Adefal) realizaram um protesto nesta quarta-feira (14) contra a suspensão das eleições da entidade. O pleito estava marcado para hoje, mas foi cancelado devido a uma decisão do desembargador Kléver Loureiro.
Segundo eles, a eleição foi suspensa porque o Tribunal de Justiça (TJ) não teria tido tempo de analisar o processo. Na semana passada, a 5ª Vara havia decidido que não há irregularidades na votação, mas uma das chapas impetrou um recurso pedindo o cancelamento.
A assessoria de comunicação da Adefal explicou que a estrutura para que os membros votassem foi montada, já que o aviso da suspensão só chegou hoje, e algumas pessoas vieram do interior apenas por esse motivo. O pleito se arrasta na Justiça desde o último mês de janeiro.
Duas chapas concorrem à presidência. A primeira é encabeçada pelo atual presidente, João Ferreira, enquanto a segunda, que alega irregularidades na comissão eleitoral, tem Pedro José como principal nome. Ao todo, cerca de dois mil associados estão aptos a votar. 

Grupo protestou também em frente à sede do Tribunal de Justiça - Foto: FOTO: José Feitosa/Gazeta de Alagoas

"A manifestação foi pacífica. Conversamos com as lideranças para entender os motivos em como já havia indicativo de bloquear a Fernandes Lima, procuramos uma forma de como poderíamos minimizar problemas", explicou o responsável pelo Gerenciamento de Crises, tenente Thiago Almeida.
Os integrantes da Adefal reclamaram de mais uma suspensão. "O que esperamos é ter o direito de votar em quem quisermos. Cadê a democracia? Está com meses que tentamos eleger o presidente e toda vez tem um pretexto para a votação não acontecer", disse Roseana Alves. 

Eles pediram a realização das eleições, que se arrastam desde janeiro - Foto: FOTO: José Feitosa/Gazeta de Alagoas