Comerciantes do Mercado da Produção cobram da BRK a normalização da oferta de água

Há mais de 20 dias sem água nas torneiras, comerciantes não poupam reclamações contra a BRK, o Governo do Estado e a Casal

A BRK Ambiental, o Governo do Estado e a Casal mais uma vez estão sendo alvo de críticas dos comerciantes do Mercado Público de Maceió, que estão sofrendo com a falta d'água. A regularidade do serviço de fornecimento de água continua sendo cobrada, inclusive, por parlamentares e até pelo prefeito de Maceió, JHC (PSB). O problema tem prejudicado a população.


A própria Justiça de Alagoas, por problemas anteriores, já chegou a determinar aplicação de multa à empresa pelo desabastecimento em bairros afetados. O Procon Maceió multou a BRK Ambiental em quase R$ 1 milhão pela falta de água que afetou mais de 150 mil pessoas da parte alta, entre novembro e dezembro do ano passado. O problema gerou uma série de transtornos à população e protestos que ganharam ampla repercussão.

O comerciante José Jorge dos Santos, proprietário de um restaurante na região do mercado público de Maceió, conta que há 22 dias está sem água, por isso procurou o Gazetaweb para reclamar a falta do líquido nas torneiras. "Estou há 22 dias sem tomar um banho decente. Ninguém diz nada, chovendo quase todo dia, os mananciais cheios e a água não chega nas torneiras", desabafou.


As dificuldades geradas pelo desabastecimento atrapalham o comércio local, que necessita do fornecimento regular de água para limpeza e preparação dos alimentos. O comerciante também se queixa da impossibilidade de manter a higiene do ambiente com a limpeza do material e dos utensílios usados para produzir as refeições, além da utilização dos banheiros pelos clientes, prejudicando completamente a abertura do empreendimento. " Nesse período todo, já reclamamos com a empresa, que não solucionou o problema. Lá se vão quase 3 semanas com dificuldades. Como vou pagar as contas e os funcionários?", questiona o comerciante.

O fato é que os consumidores prejudicados se mostram muito irritados com a situação, alegam prejuízos irreparáveis pelos problemas no fornecimento de água e não poupam críticas ao Governo de Alagoas, pela venda da exploração do serviço, e para também para a Casal, que ainda é responsável pela captação e o tratamento em Maceió e na Região Metropolitana.

A reportagem da Gazetaweb entrou em contado com a BRK, que reconheceu, por meio de nota, a deficiência no abastecimento de água em algumas localidades e informou que está trabalhando para regularizar a situação.

Confira a nota abaixo:


"Alguns dos bairros atendidos pelo Sistema Catolé-Cardoso, na parte baixa e orla lagunar de Maceió estão apresentando irregularidades no abastecimento de água nos últimos dias. A situação se deve, entre outras razões, à perda de vazão no sistema produtor. Por isso, para sanar as deficiências e regularizar o atendimento à população, a Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal) e a BRK estão efetuando algumas intervenções no Sistema. Uma delas é a limpeza e desobstrução de vários pontos do aqueduto, estrutura que conduz a água bruta do manancial, em uma Área de Proteção Ambiental (APA Catolé), até a Estação de Tratamento de Água (ETA), situada em Bebedouro. Esse serviço já começou e tem previsão de durar cerca de 90 dias. Assim, gradativamente, à medida que a limpeza avança, mais água vai chegar à ETA para ser tratada".


A empresa orienta os consumidores prejudicados que utilizem o Call Center, e que a BRK vai até o endereço da falta de água para averiguar as redes de distribuição das ruas, uma vez que a obstrução dessas estruturas também pode ocasionar em redução do volume e da pressão do líquido que chega às residências. BRK Call Center 0800 771 0001.