Após chuvas, Prefeitura de Maceió remove 200 toneladas de lixo da Praia da Avenida

Prefeito JHC revela que cidade foi deixada sem preparo para a quadra chuvosa deste ano

Pelo menos 200 toneladas de lixo foram arrastadas através do Riacho Salgadinho e ficaram acumuladas na Praia da Avenida, em Maceió. Desde as primeiras horas da manhã deste domingo (11), equipes de limpeza e infraestrutura se revezam para atender esse e outros pontos da cidade que também foram afetados pelas fortes chuvas. O trabalho de limpeza foi acompanhado pelo próprio prefeito João Henrique Caldas (JHC).

"O que é surpreendente é a quantidade de lixo acumulado. Os tratores fizeram toda a remoção dos entulhos. São muitas garrafas PETs que o meio ambiente recebeu da própria população. E isso tem que mudar. De ontem para hoje, choveu 200 mm e isso praticamente em 24h. Estamos em sinal de alerta. Pegamos uma cidade sem planejamento algum para a quadra chuvosa", afirmou JHC em um dos trechos do vídeo que publicou em suas redes.

Ainda de acordo com o prefeito, não deu tempo de agir em toda a cidade, mas a Prefeitura irá fortalecer a Defesa Civil, bem como as secretarias municipais que podem atuar de forma conjunta para evitar futuros transtornos.

Quanto aos resíduos sólidos encontrados na praia, JHC disse que vai atuar para planejar e investir no saneamento da cidade. Mas que também irá precisar do apoio da população, que pode contribuir dando a destinação correta ao lixo, já que a coleta ocorre com regularidade.

Vias

As equipes da infraestrutura também atuaram em vias que acabaram alagando por conta do entupimento de galerias, também provocado pela presença de lixo e areia. Desde o sábado e as primeiras horas do domingo, onde foram detectados alagamentos, o trabalho foi concentrado.

Foi o que aconteceu nas vias: avenidas Dona Constança, Gustavo Paiva, Doutor Antônio Gomes de Barros e Assis Chateaubriand, que já receberam intervenções.

Mercado

No Mercado da Produção, que está abaixo do nível da lagoa, o transbordamento de canais de esgoto fez com que a lama invadisse a unidade. Imagens feitas por comerciantes e clientes mostram que a situação também ficou crítica no local. A água da chuva, misturada com o esgoto, tomou conta dos corredores, provocando mau cheiro e dificuldade no deslocamento.

A situação não é novidade, principalmente no trecho alagado, que fica na área onde são comercializados pescados e carne. O problema se arrasta de gestões anteriores e mais uma vez ganhou destaque por conta dos transtornos causados.