Casal nega responsabilidade por mancha escura na Praia de Jatiúca

Segundo a companhia, lançamento de dejetos provenientes das galerias de águas pluviais é responsabilidade da Prefeitura de Maceió

A Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal) negou, por meio de nota encaminhada à imprensa nesta terça-feira (22), que esteja poluindo as praias de Maceió, depois de uma grande mancha escura surgir no mar de Jatiúca e o Instituto do Meio Ambiente (IMA) comprovar sua relação com o lançamento de dejetos - que seriam provenientes de galeria de águas pluviais daquela região. A polêmica veio à tona depois de a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Sempma) de Maceió responsabilizar a Casal pelo dano. 
"A Casal repudia toda e qualquer afirmação que ligue a companhia a crimes ambientais, principalmente aqueles praticados de forma intencional", declarou, no comunicado, o presidente da companhia, Clécio Falcão. 
Ainda segundo o gestor, a Sempma "tem agido de forma precipitada, demonstrando desconhecimento dos reais problemas de esgotamento sanitário em Maceió". "A Casal cuida das redes coletoras de esgoto, e não das galerias de água pluviais, que são de responsabilidade da prefeitura", emendou Falcão. 

A companhia confirma que a poluição verificada em algumas praias da capital é proveniente das galerias pluviais, que recebem substâncias das mais diversas origens, de ligações clandestinas de esgoto a efluentes que se juntam aos dejetos.

Ainda de acordo com Clécio Falcão, a maior parte da cidade de Maceió não dispõe de rede de esgoto, havendo, contudo, redes de águas pluviais e cursos de água que recebem dejetos e todo tipo de material poluidor, que deságua nas praias. 
O riacho Salgadinho é um exemplo de curso de água que chega à praia, formando as denominadas "línguas sujas". Tais fontes - assinala o presidente da Casal - são antigas, e o órgão responsável por fiscalizar e combater os agentes poluidores das galerias e cursos de água, reforça a companhia, é a Secretaria Municipal de Meio Ambiente.

Transbordamentos 

No mesmo comunicado, a Casal assumiu a responsabilidade pelos transbordamentos de esgoto na região da bacia da Pajuçara, problema que garante já estar sob controle, com a limpeza e desobstrução dos pontos considerados mais críticos .
Segundo a Casal, a solução definitiva é a construção de um coletor paralelo ao existente, também chamado de "linha expressa", entre as praças Lions (Pajuçara) e 13 de Maio (Poço), cujas obras estão em fase adiantada e devem ser concluídas no primeiro semestre do próximo ano, conforme previsão da Secretaria de Estado da Infraestrutura (Seinfra).