Defesa Civil faz vistoria e libera trânsito na Ladeira de Fernão Velho

Equipe avaliou dois pontos onde ocorreram pequenos deslizamentos de barreiras em decorrências das chuvas que atingiram a capital alagoana

Depois de realização de uma vistoria, a Defesa Civil de Maceió liberou o fluxo de veículos na Ladeira de Fernão Velho nesta quarta-feira (16). No local, dois pontos, onde ocorreram pequenos deslizamentos de barreiras em decorrência das chuvas que atingiram Maceió, foram avaliados pelas equipes.

As barreiras da localidade estão em estado de vulnerabilidade estrutural devido ao grande volume de chuva que caiu na região, segundo o coordenador geral da Defesa Civil de Maceió, Abelardo Nobre. “Nós definimos como regra que sempre que nosso nível operacional chegar a Alerta, iremos interditar este acesso ao bairro. Isso ocorreu ontem, uma vez que a região de Fernão Velho foi um dos pontos com maior incidência de chuva. A medida é adotada para salvaguardar a população que transita pelo local."

Abelardo ainda lembrou que, no decorrer do mês de abril, oito pontos de deslizamento foram identificados nesse mesmo local, o que apresentava muito risco à população que transitava pela via. “Teve até um vídeo que viralizou, naquela oportunidade, que mostrava um trecho da barreira cedendo logo após a passagem de um veículo. No mesmo instante, pedestres passavam por lá”, disse.

Após a decisão, o órgão comunicou outras secretarias para que liberação da via e a limpeza dos sedimentos que estão no local foram realizados. Diante disso, a Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) informou que os ônibus das linhas 058 – Fernão Velho/Centro, 715 – Rio Novo/Ponta Verde e a 057- Rio Novo/Centro já retomaram as operações no local.

Balanço de ocorrências

Ao todo, 52 ocorrências foram registradas devido às chuvas, sendo 13 delas relacionadas a pontos de deslizamento de barreiras. Dezesseis famílias foram encaminhadas pela Defesa Civil de Maceió para atendimento na Secretaria Municipal de Assistência Social e na Secretaria Adjunta de Habitação Popular. Duas delas ficaram desabrigadas, mas recusaram abrigamento do Município e decidiram ir para casa de parentes.

*com informações da Defesa Civil.

Receba notícias da GazetaWeb no seu WhatsApp e fique por dentro de tudo! Basta acessar a nossa comunidade:

https://4et.us/rvw00p