Imagem
Menu lateral
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > MACEIÓ

Alagoas tem alta de 15% na chegada de turistas estrangeiros em 2024

É o que revela pesquisa da empresa espanhola ForwardKeys, divulgada esta semana pelo Ministério do Turismo

Alagoas é o quinto estado do Brasil e o segundo do Nordeste com maior crescimento na projeção de chegadas de viagens internacionais ao longo dos três primeiros meses de 2024, segundo dados levantados pela ForwardKeys e divulgados pelo Ministério do Turismo. A empresa espanhola é especializada na análise de dados do mercado aéreo, sobre tendências dos visitantes internacionais no país neste ano.

A relação de Unidades da Federação líderes na área é composta, na sequência, por Santa Catarina (+53%), Rio Grande do Norte (+46%), São Paulo (+25%), Rio de Janeiro (+23%), Minas Gerais (+18%), Alagoas (+15%), Pernambuco (+14%), Ceará (+11%), Paraná (+9%),e Bahia (+4%).

Leia também

O destino Maceió segue atraindo turistas do Brasil e do mundo. A Decolar, empresa de viagens líder na América Latina, aponta a capital alagoana como um dos destinos mais procurados do Brasil no primeiro semestre de 2024.

A pesquisa da ForwardKeys revela que turistas europeus são os que permanecerão em média mais tempo durante viagens ao Brasil no 1º trimestre de 2024, com um total de 21 noites. O estudo prevê uma alta de 21% nas chegadas de estrangeiros no território brasileiro, na comparação com a mesma época de 2023.

Canadenses terão a segunda média mais alta de estadia (19 noites), o que é atribuído - assim como no caso da Europa - ao fato de os visitantes aproveitarem ao máximo a viagem devido às grandes distâncias para se chegar ao Brasil. Cidadãos dos Estados Unidos vão permanecer cerca de 13 noites, e turistas da América do Sul ficarão aproximadamente 10 noites, refletindo, no último caso, a maior proximidade de nações vizinhas.

A avaliação da ForwardKeys referente às regiões brasileiras procuradas pelos estrangeiros revela, por exemplo, que, no Nordeste, vai haver uma alta de 36% no número de visitantes que passarão de 6 a 8 noites nos destinos na comparação com os três meses iniciais de 2023. As estadias entre uma e duas semanas (9 a 13 noites) na região apresentam um aumento de 7%, enquanto as permanências superiores a 14 noites se mantêm estáveis (+1%).

O ministro do Turismo, Celso Sabino, avalia que os dados reforçam perspectivas de avanço nos gastos de visitantes no Brasil para este ano. “Em 2023, recebemos quase 6 milhões de estrangeiros e batemos um recorde histórico nas despesas desse público, de R$ 34,5 bilhões, superando, inclusive 2014, quando tivemos a Copa do Mundo de Futebol. O governo federal está fortemente empenhado em ampliar a nossa conectividade aérea, abrindo o espaço necessário para atingirmos a meta de receber 10 milhões de turistas de outros países até 2027”, aposta.

Quanto ao Sudeste, ocorrerá uma alta de 25% das chegadas a lazer e de 7% nos desembarques a negócios. Ainda sob o pretexto de diversão, o estudo evidencia aumento de 28% das viagens em família e de 27% dos deslocamentos de grupos na região. Já o número de casais no Sudeste crescerá 21%, alta que vai chegar a 20% no que tange a solteiros. No Sul do país, viagens em grupo e em família vão crescer ainda mais, com índices de 74% e 47%, respectivamente.

CHEGADAS - Dados da ForwardKeys indicam crescimento de 23% nas viagens com origem na América do Sul rumo ao Brasil no 1º trimestre. Já as provenientes da Europa somam um aumento de 21%, enquanto as dos Estados Unidos acumulam expansão de 15%. Quanto às regiões mais buscadas, destaque para o Sul, apresentando avanço de 34%; o Norte (+26%), o Sudeste (+23%) e o Nordeste (+13%). O Centro-Oeste, por sua vez, experimenta uma queda de 11%.

CONECTIVIDADE - O Ministério do Turismo trabalha conjuntamente com a Embratur e outras pastas do governo federal, além das próprias empresas aéreas, para ampliar a malha e a frequência de voos entre o Brasil e o resto do mundo. Segundo a Embratur, o país já voltou ao patamar pré-pandemia no que se refere à quantidade de viagens ofertadas por companhias do setor, tendo o número atingido 64,8 mil operações tanto em 2019 quanto no ano passado.

*com Ministério do Turismo

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na App Store

Relacionadas