AL registra a maior alta do Brasil no nº de amputações causadas por doenças crônicas

Casos de amputações dos membros inferiores saltaram de 182 para 497; pelo menos 245.811 brasileiros perderam os pés ou pernas no período analisado

O número de amputações de membros inferiores - pernas ou pés - em Alagoas cresceu 173%, sendo o maior aumento entre todos os estados do país. Os dados inéditos são da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBACV), com base nos dados do Ministério da Saúde (MS).

De acordo com os números do levantamento, na comparação com o início e o fim do período analisado, que compreende a série histórica de 2012 a 2021, os casos de amputações saltaram de 182 para 497. Com isso, o estado alagoana ocupa a primeira posição, ficando na frente de estados como Roraima (160%), Ceará (146%) e Rondônia (116%).

Somente os estados do Amapá e Amazonas registraram queda nos números dentro do mesmo período, com reduções de 29% e 25%, respectivamente.

Os especialistas apontam que a maior parte das amputações foi provocada por doenças crônicas, como a diabetes, que é uma das principais causas do procedimento. Ainda há a suspeita de que muitos dos pacientes chegaram a perder a continuidade de tratamentos, provocando as amputações.

Em todo o país, na comparação entre 2012 a 2021, 245.811 brasileiros sofreram amputação de membros inferiores, com uma média de 66 casos por dia. Ou seja, pelo menos três brasileiros perderam os pés ou pernas a cada hora.