Agentes de endemias devem visitar quase 9 mil imóveis no Poço em ação de combate ao mosquito Aedes aegypti

Segundo levantamento, bairro apresenta um percentual de 10% de infestação do mosquito

Agentes de endemias de Maceió devem visitar 8.900 imóveis somente no bairro do Poço, na parte baixa da capital, em ação de combate ao mosquito Aedes aegypti.

Segundo levantamento, a região apresenta um percentual de 10% de infestação do mosquito. Por isso, se faz necessária a inspeção dos ambientes, reforçando as orientações para eliminar os focos do mosquito.

A principal tarefa dos agentes, porém, é convencer a população a aderir aos cuidados necessários. “Nossas equipes têm reforçado as ações, no sentido de promover um controle mais efetivo com o tratamento e eliminação dos focos, além do reforço na orientação dos moradores, estimulando que cada um faça, a cada 15 dias, a própria inspeção em seu domicílio, estreitando a parceria com o poder público no combate ao Aedes aegypti”, explica a gerente responsável pelo trabalho das equipes, Carmem Samico.

Com o registro de casos até o final do mês de julho deste ano somando 9.213 notificações para dengue, o município de Maceió apontou um aumento de 539,79% em relação ao número de casos notificados no mesmo período de 2021, que foi de 1.440 casos.

Em relação à Chikungunya, no período citado, foi registrado um crescimento de 5.753,33%, com 3.512 casos notificados em 2022, contra 60 casos suspeitos em 2021. E no que diz respeito à Zika, o registro foi de aumento de 54,05% de casos neste mesmo período, o que fez crescer a notificação de casos de 37 em 2021 para 57 em 2022.

Os bairros que aparecem com os índices mais elevados de infestação pelo Aedes aegypti são Jaraguá (12%), Jardim Petrópolis (11,81%), Poço (10%), Ponta da Terra (8%), Ouro Preto (7,70%) e Gruta de Lourdes (7,31%). Todos têm índices de infestação predial acima de 4%.

*com assessoria