Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
X
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

'A fome não espera': Integrantes da sociedade civil realizam ato simbólico para cobrar uso do Fecoep

Protesto acontecerá nesta terça-feira (13), às 9h, na Praça dos Martírios, no centro de Maceió, em favor de plano emergencial voltado para à população em extrema pobreza

Integrantes da sociedade civil realizarão um ato simbólico nesta terça (13), às 9h, na Praça dos Martírios, no centro de Maceió. A reivindicação é para que o governador Renan Filho convoque uma reunião extraordinária do Conselho Integrado de Políticas de Inclusão Social - CIPIS, órgão gestor do Fundo Estadual de Combate e Erradicação à Pobreza (Fecoep), para deliberar o plano emergencial voltado à população em situação de pobreza extrema.

O ato simbólico acontece no dia em que se comemora os 31 anos de promulgação do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Na manifestação, será entregue o manifesto coletivo assinado por 50 entidades, movimentos sociais, comunidades e organizações da sociedade civil, pedindo celeridade e definição sobre uma data de reunião para retomada do debate, deliberação e, finalmente, execução do Plano. A minuta do Plano foi apresentada pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL), em 18 de março, na reunião do Conselho Integrado de Políticas de Inclusão Social - CIPIS.

Leia também

A fome não espera sequer algumas horas, que dirá quatro meses. São mais de 570 mil alagoanos em situação de pobreza extrema, enfrentando situações como, por exemplo, a incerteza ou a falta de uma refeição seguinte. Quem mais sofre são crianças e adolescentes, que enfrentam condições de subnutrição e se tornam mais expostas ao adoecimento – seja pelo Coronavírus, seja por outras doenças.

Além do suporte na busca por medicamentos, marcação de exames, os agentes vêm se mobilizando para conseguir alimentos e cestas básicas na tentativa de reduzir outro tipo de situação de risco que atinge crianças e adolescentes de forma ainda mais brutal: a fome.

Um problema que deve ser enfrentado a partir de políticas públicas, uma vez que estamos falando de direitos. Em Alagoas, a medida mais concreta neste momento é a efetivação do Plano Emergencial, com recursos do Fecoep, voltado a reduzir os impactos da pandemia para pessoas em pobreza extrema.

Veja um depoimento:

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas

X