Imagem
Menu lateral
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > JUSTIÇA

Padrasto é condenado a mais de 49 anos de prisão por estuprar enteada

O caso ocorreu em São Miguel dos Milagres, no Litoral Norte de Alagoas


				
					Padrasto é condenado a mais de 49 anos de prisão por estuprar enteada
Segundo o órgão ministerial, aos 11 anos a menina passou a ser constrangida sexualmente pelo padrasto.. Reprodução

Um homem foi condenado a mais de 49 anos de prisão por estuprar a própria enteada por seis anos. Os abusos, segundo o Ministério Público do Estado (MPE), começaram quando ela tinha 11 anos de idade e durou até quando ela completou 17 anos. O caso ocorreu em São Miguel dos Milagres, no Litoral Norte de Alagoas.

Segundo o órgão ministerial, aos 11 anos a menina passou a ser constrangida sexualmente pelo padrasto, quando ele passou a tocar o corpo dela, incluindo as partes íntimas. A ação criminosa ocorria, de acordo com a denúncia, quando a mãe dela saía de casa.

Leia também

Quando ela completou 13 anos, o padrasto passou a violentar sexualmente a enteada e os abusos ocorreram até quando ela atingiu os 17 anos.

"A adolescente passou todo esse tempo sem revelar o comportamento do padrasto por conta das ameaças de morte feitas por ele. Buscando a responsabilização criminal do réu, o Ministério Público do Estado de Alagoas denunciou J.L.S por estupro", afirmou o Ministério Público.

Ao todo, o homem foi condenado a 49 anos, três meses e três dias de prisão. A sentença foi proferida no dia 1º de abril.

Mudança de comportamento

A denúncia do MPE aponta que a adolescente mudou de comportamento dentro de casa quando começou a sofrer os abusos sexuais.

"A adolescente passou a sentir muita tristeza, chorava bastante na escola e passou a se automutilar nas pernas e nos braços, sempre usando uma gilete", relata o promotor de Justiça do caso, Gustavo Arns.

Quem percebeu a mudança de comportamento foi a mãe da menina. Ela perguntou o que estava acontecendo. No entanto, por medo das ameaças, ela não falava nada.

Em depoimento, a vítima chegou a dizer que o homem ameaçou matá-la e esquartejá-la. "Essa dor que a vítima sente jamais será apagada. E é por isso que pedimos pena máxima contra J.L.S.”, declarou Gustavo Arns.

A adolescente relatou ainda que o padrasto passou a determinar quais roupas ela deveria usar e reclamava quando ela usava biquíni, além de tê-la proibido de namorar. Ela disse ainda que, sempre que recusava praticar ato sexual com o padrasto ou mesmo chorava durante os abusos, ele batia nela.

Por fim, a adolescente confirmou que, quando começou a namorar e se mudou para a residência do companheiro, o padrasto, com raiva, batia na esposa, mãe da vítima, e passou a ameaçar de morte a enteada, caso ela não voltasse para casa.

Defesa queria absolvição

A defesa do denunciado pediu a sua absolvição e, argumentou que, caso J.L.S. fosse condenado – em razão dos laudos acostados aos autos e do depoimento da vítima -, deveria receber pena mínima, com o direito de recorrer em liberdade. Nenhuma das alegações foi atendida.

Condenação

A decisão judicial enquadrou J.L.S. no crime descrito no artigo 217-A do Código Penal, criado pela Lei nº 12.015/2009. Ele veda a prática de conjunção carnal ou outro ato libidinoso com menor de 14 anos.

O réu também foi condenado com base no artigo 213 do mesmo Código Penal, que criminaliza a conduta de quem constrange alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso.

O denunciado ainda teve contra si a aplicação de alguns agravantes, como ameaça em razão da posição de autoridade sobre a vítima e continuação delitiva.

Como já estava detido, J.L.S. continuou preso, a pedido do Ministério Público, por também entender o Judiciário o alto grau de periculosidade do réu.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na App Store

Relacionadas