MP tenta prender viúva do miliciano Adriano da Nóbrega

Ex-PM chefiava grupo de matadores de aluguel e foi morto na Bahia, em 2020

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) iniciou nesta segunda-feira (22) a Operação Gárgula, contra acusados de lavar dinheiro e movimentar recursos ilícitos do miliciano Adriano Magalhães da Nóbrega.

Viúva do paramilitar — morto em fevereiro de 2020 na Bahia —, Julia Emilia Mello Lotufo era alvo de um dos três mandados de prisão expedidos pela 1ª Vara Criminal Especializada da Capital e estava sendo procurada.

O soldado da PM Rodrigo Bitencourt Fernandes Pereira do Rego foi preso. Segundo o MP, Rodrigo era um dos laranjas de Adriano. Outro alvo seria o sargento Luiz Carlos Felipe Martins, o Orelha, mas ele foi morto em tiroteio no último sábado (20).

A Justiça também determinou o sequestro de R$ 8,4 milhões em bens. O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) também tentava cumprir 27 de busca e apreensão — dois eram contra irmãs do miliciano.

Nove pessoas foram denunciadas pelo MPRJ.

Milícia e assassinatos

O MP afirma que Adriano chefiava a milícia de Rio das Pedras e integrava o consórcio de matadores de aluguel conhecido como Escritório do Crime.

A TV Globo apurou que, no espólio de Adriano, constam:

  • restaurantes;
  • postos de gasolina;
  • gado;
  • cavalos de raça;
  • áreas rurais;
  • imóveis;
  • carros.

Esses bens, segundo as investigações, foram adquiridos com a lavagem de dinheiro de diferentes atividades criminosas:

  • mortes por encomenda;
  • grilagem de terras;
  • construção ilegal de imóveis;
  • agiotagem;
  • exploração de caça-níqueis;
  • cobrança de ágio na água e no gás, vendidos sob monopólio.