Justiça decreta prisão preventiva de segurança de festa que matou jovem na Santa Lúcia

Juiz pontuou que, mesmo o preso sendo pai, primário e com bons antecedentes, deve ficar detido em razão da gravidade do crime

A Justiça converteu em preventiva a prisão em flagrante de João Victor Moraes Lima, que foi preso nesse domingo (22), suspeito de ter assassinado um jovem de 26 anos e baleado mais duas pessoas, durante uma festa no bairro Santa Lúcia, em Maceió. João Victor seria segurança da festa. Ele passou por audiência de custódia nesta segunda-feira (23) e, agora, ficará preso por tempo indeterminado.

O juiz Ygor Figueirêdo, que decidiu por manter João Victor preso, pontuou que, apesar do custodiado não ter demonstrado interesse de fugir, bem como ser primário, possuidor de bons antecedentes e ainda ser pai, a prisão é necessária, tendo em vista a gravidade do crime e as demais circunstâncias que apontam a necessidade da prisão preventiva. O magistrado afirmou que a prisão se dá para garantia da ordem pública e aplicação da lei penal.

De acordo com a Polícia Civil, João Victor tentou intervir em uma briga, quando realizou os disparos. Ele foi preso na noite desse domingo (22), próximo a um posto de combustíveis, no bairro Benedito Bentes, na parte alta de Maceió.

A polícia informou que, na ocasião do crime, houve um briga generalizada entre os presentes, quando João Victor agiu, atirando, primeiramente, para cima e, em seguida, atingindo as vítimas.

Jonathan Gomes da Silva, conhecido pelo apelido de "Zé", de 26 anos, foi atingido por dois tiros, sendo um nas costas e outro no quadril. Ele não resistiu aos ferimentos e morreu na hora. Outras duas pessoas - uma mulher e um homem - foram baleadas e socorridas por populares até o Hospital Geral do Estado (HGE), no Trapiche da Barra. A identidade delas não foi divulgada. No local da festa, cinco estojos de munição de pistola calibre 380 foram encontrados.