Imagem
Menu lateral
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > JUSTIÇA

"Júri Épico" realizado em Piranhas absolve cangaceiro Corisco

Por 4 votos a 3, jurados consideraram que ele era inocente da acusação de chacina na Fazenda Patos


				
					"Júri Épico" realizado em Piranhas absolve cangaceiro Corisco
"Corisco" foi julgado e absolvido em júri épico realizado em Piranhas. Cadu Moura

Após dois dias de julgamento, iniciado na sexta-feira (12), o “Júri Épico” realizado em Piranhas, no Sertão alagoano, absolveu nesse sábado (13) Cristino Gomes da Silva Cleto, o Corisco, da acusação de matar e decapitar parte da família de Domingos Ventura, poucos dias depois da emboscada em que a volante da polícia matou Lampião, Maria Bonita e parte do seu bando de cangaceiro, em 1938.

A chacina ocorreu na Fazenda Patos, em Piranhas. A encenação, que teve recursos de um julgamento real, declarou Corisco inocente, por 4 votos a 3.

Leia também

O júri foi realizado pela Ordem dos Advogados do Brasil seccional Alagoas, com a participação de advogados, defensores públicos e o juiz federal Cleiton Ferreira, de Sergipe, além de jurados escolhidos por sorteio.

Para tornar a experiência no júri épico ainda mais envolvente, os participantes fizeram uma visita ao local onde ocorreu o crime. O júri teve como assistente de acusação do presidente da OAB/AL, Vagner Paes; o presidente da Comissão do Tribunal do Júri da OAB/AL, Hugo Trauzola, e a advogada criminalista Kyvia Maciel.

Do outro lado, atuando na defesa do cangaceiro, estiveram o presidente da Caixa de Assistência dos Advogados (CAAAL), Leonardo de Morais; o presidente da Comissão de Estudos do Tribunal do Júri da OAB Pernambuco, José Rawlinson Ferraz, e os advogados criminalistas Graciele Queiroz e Welton Roberto.

Durante dos dois dias de julgamento, aconteceram palestras sobre a história do cangaço. A tarde de sábado foi destinada para aos debates entre acusação e defesa. A sentença declarando Corisco inocente das acusações foi lida pelos juízes no sábado.

O ator Jedson Carlos, de Delmiro Gouveia, representou o cangaceiro no júri, que lotou o auditório do Ifal.

“Aqui em Piranhas foi o palco do nosso júri épico, o maior evento artístico-cultural da história da OAB, um evento em que a cultura e a arte e o direito se misturam com a história do cangaço, com o turismo, com a riqueza do Sertão alagoano”, afirmou o presidente da OAB-AL, Vagner Paes. “Entregamos para a sociedade um grande evento e marcamos de uma vez por todas o calendário da Ordem com este evento, que veio para ficar. O I Júri Épico em Alagoas reescreveu um capítulo da nossa história e deixou sua marca na vida de quem compartilhou esse momento de ressignificação”.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na App Store

Relacionadas