Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
X
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > JUSTIÇA

Caso Marielle: Rivaldo Barbosa nega obstrução e vínculo com acusados

Ex-delegado da Polícia Civil do Rio negou envolvimento no atentado que resultou na morte de Marielle Franco e seu motorista, Anderson Gomes


				
					Caso Marielle: Rivaldo Barbosa nega obstrução e vínculo com acusados
Delegado Rivaldo Barbosa prestou depoimento à Polícia Federal. Foto: Fábio Motta/Estadão / Estadão

Após suplicar 'pelo amor de Deus' para que fosse ouvido, o delegado Rivaldo Barbosa, apontado como mentor do atentado que resultou na morte da vereadora do Rio Marielle Franco e seu motorista, Anderson Gomes, prestou depoimento à Polícia Federal na tarde dessa segunda-feira, 3.

O Estadão mostrou que o depoimento de Barbosa à PF durou aproximadamente três horas. Acompanhado de dois policiais federais, um delegado, dois advogados e um integrante da Procuradoria-Geral da República, o ex-delegado negou ter vínculo com os irmãos Brazão, apontados como mandantes da morte de Marielle.

Leia também

De acordo com a defesa de Barbosa, ele respondeu a todas as perguntas sobre o atentado que matou a vereadora e se colocou à disposição para prestar depoimento sobre suas atividades empresariais. Documentos levantados pela PF apontam que ele usou o cargo na polícia para beneficiar empresa própria.

Além de negar vínculo com o deputado Chiquinho Brazão e seu irmão, o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ) Domingos Brazão, Rivaldo também declarou que nunca teve contato com o atirador Ronnie Lessa, delator do crime e que imputou o ex-delegado como mentor da ação.

Ainda no depoimento, Barbosa afirmou que a Polícia Civil fluminense investigou a morte de Marielle Franco e que, em 2019, após denúncia contra os executores, um novo inquérito foi instaurado para apurar a autoria intelectual e a motivação do crime.

O ex-delegado usou a investigação para reforçar a versão de que houve trabalho efetivo para a identificação dos mandantes do crime. Ele ressaltou que o nome de Domingos Brazão já constava no inquérito. As suspeitas sobre o conselheiro levaram o caso ao Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Para a PF, no entanto, Rivaldo Barbosa usou o cargo como delegado e chefe da Divisão de Homicídios para tentar obstruir as apurações sobre o caso.

A defesa de Barbosa, por sua vez, estuda apresentar um novo pedido de liberdade. Um recurso contra a decisão do ministro Alexandre de Moraes, que manteve a prisão preventiva de Rivaldo, está na fila para julgamento.

Moraes nega soltura de delegado

No dia 18 de maio, Alexandre Moraes negou o pedido da defesa de Rivaldo Barbosa e manteve o réu em prisão preventiva.

A decisão de Moraes está em conformidade com a manifestação da Procuradoria-Geral da República (PGR), que alegou que a "prisão deve ser mantida, pois Rivaldo Barbosa não apresentou nenhuma mudança fatídica ou jurídica apta a alterar o panorama da decisão judicial que deferiu a custódia máxima".

O órgão também argumentou que, além de o acusado ter ajudado a planejar o crime, ele "empreendeu esforços a fim de evitar o avanço da investigação" e, se liberto, pode voltar a atrapalhar o processo penal e recorrer a 'contatos' na milícia.

"Importante ressaltar, ainda, que, segundo apurado, Rivaldo mantém relações ilícitas com os principais milicianos e contraventores do Estado do Rio de Janeiro. Sua libertação, aliada ao poderio econômico de que dispõe e dos contatos com as redes ilícitas existentes no Município do Rio de Janeiro, poderá frustrar a própria aplicação da lei penal e comprometer a instrução criminal", diz a PGR.

Por que Marielle foi morta?

As investigações indicam que o planejamento da execução teria começado no segundo semestre de 2017, após uma "descontrolada reação" de Chiquinho Brazão devido à participação de Marielle na votação do Projeto de Lei Complementar 174/2016.

A proposta, de autoria de Chiquinho Brazão quando ainda era vereador, dispunha sobre a regulamentação fundiária de loteamentos e grupamentos existentes nos bairros de Vargem Grande, Vargem Pequena e Itanhangá, assim como nos bairros da XVI RA – Jacarepaguá, no Rio de Janeiro.

A presença de Marielle junto a comunidades em Jacarepaguá era o que mais atrapalhava os interesses dos irmãos. Na região, em sua grande parte dominada por milícias, se concentrava relevante parcela da base eleitoral da família Brazão.

Também foram identificados diversos indícios do envolvimento dos Brazão com atividades criminosas, incluindo as relacionadas com milícias e 'grilagem' de terras. Ficou, então, delineada a divergência no campo político sobre questões de regularização funciária e defesa do direito à moradia. No caso, Marielle queria utilizar esses territórios para fins sociais e a construção de moradias populares.

*Com informações de Estadão Conteúdo.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas

X